Lusa recorre a consultora para agilizar planeamento e controlo orçamental da agência de notícias

Projeto desenvolvido pela consultora para a Lusa permitiu a “diminuição significativa da margem de erro” no controlo orçamental. Segundo a GSTEP, a Lusa ainda recorria ao programa Microsoft Excel para a elaboração do orçamento, quer para o controlo orçamental e ‘reporting’.

A Lusa contratou a consultora portuguesa GSTEP para um projeto que procurou melhorar o planeamento e o controlo orçamental da agência noticiosa, foi esta terça-feira anunciado pela GSTEP. A solução pretendida pela agência de notícias já está implementada, com a Lusa a querer, de agora em diante, criar um sistema interno de informação de gestão de dados (financeiro, editorial, recursos humanos, comercial e orçamental) “eficiente” e “eficaz”.

“Após consulta preliminar ao mercado, a Lusa considerou que a GSTEP era uma das empresas que reunia as melhores condições para a realização do projeto, uma vez que incorpora equipas com vasta experiência no planeamento e implementação de projetos de business intelligence e planeamento e controlo orçamental, e detém fortes conhecimentos na tecnologia selecionada (Oracle PBCS)”, dá conta a consultora tecnológica em comunicado.

Segundo a GSTEP, o projeto desenvolvido para a Lusa permitiu a “redução do tempo e recursos necessários e diminuição significativa da margem de erro” em questões de planeamento e controlo orçamental, uma vez que “a ferramenta que estava a ser utilizada [pela Lusa], quer para a elaboração do orçamento, quer para o controlo orçamental e reporting, era o Microsoft Excel”.

“A Lusa necessitava de fazer algo face aos constrangimentos decorrentes do facto do seu planeamento e controlo orçamental serem ainda processos manuais”, lê-se.

O projeto desenvolvido pela consultora portuguesa teve como objetivo implementar uma ferramenta que permita “efetuar o orçamento e o controlo orçamental, de uma forma simples, rápida, automática e colaborativa, tendo uma forte componente de reporting”. A solução desenvolvida para Lusa levou dois meses e meio até ficar totalmente implementada na agência de notícias.

Numa primeira fase, a GSTEP focou-se no “tratamento, análise e reporte de dados reais, abrangendo a criação dos processos e automatismos necessários para o carregamento mensal dos dados financeiros reais”. Na segunda fase, a GSTEP avançou para um modelo que incluiu “vários métodos de cálculo do orçamento, de onde se destacam a extrapolação simples, tendo por base o real do ano anterior acrescido da inflação, e o cálculo baseado no orçamento do exercício anterior”. Isto, até à solução para a Lusa ficar definida.

O trabalho desenvolvido foi levado a cabo por uma equipa de três pessoas da GSTEP (um gestor de projeto e dois consultores. Apesar do projeto de melhoria do planeamento e do controlo orçamental da agência estar concluído, a consultora vai continuar a trabalhar no suporte e manutenção da solução implementada, bem como na criação de um sistema interno de informação de gestão de dados (financeiro; editorial; recursos humanos; comercial; orçamental).

Mónica Gonçalves, gestora da unidade de EPM (sigla anglo-saxónica que define a ‘gestão de desempenho empresarial’) da GSTEP, sublinha que todo o trabalho foi desenvolvido em “contexto de confinamento”, com os fatores críticos a ser discutidos em reuniões diárias, à distância, com todos os participantes no projeto.

Para Joaquim Carreira, presidente da Lusa, a GSTEP “demonstrou ser o parceiro ideal na implementação do processo”, revelando que, agora, “com a solução existente, a Lusa “poderá escalar para outros sistemas tipicamente não financeiros como os da área de recursos humanos, comercial, produção editorial e desenvolver ainda mais dentro da área financeira”.

“O objetivo da Lusa é ter um sistema de informação de gestão que integre dados provenientes de várias fontes/sistemas (financeiro; editorial; recursos humanos; comercial; orçamental), de modo a converter um grande volume de dados em informação e conhecimento inteligível, desmaterializando processos internos, com o objetivo de fornecer informação relevante para a tomada de decisão, ao negócio e aos vários stakeholders da empresa, apoiando a estratégia da empresa, de uma forma eficiente e eficaz”, conclui o comunicado da GSTEP.

Recomendadas

Siza Vieira diz que processo do aeroporto é “mesmo lamentável” e junta-se ao PR nos apelos

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital considera a “história” à volta da construção do novo aeroporto “mesmo lamentável”, juntando-se aos apelos do Presidente da República para que destas eleições saia um consenso sobre a solução.

TAP permite alteração de reservas sem custo associado

Flexibilidade não será válida nos casos em que já tenha havido falta de comparência ao voo.

Reforço de época natalícia. Telepizza vai contratar cerca de 750 funcionários

Quanto ao perfil pretendido pela Telepizza, a empresa descreve que quer “jovens entre os 18 e 30 anos, que procurem conciliar os seus estudos ou práticas universitárias com um emprego part-time”. Ter carta de condução também será um critério.
Comentários