Luságua aposta na telegestão para aumentar eficiência

Com esta tecnologia de permanente monitorização que visa “a possibilidade de prever futuros problemas”, a Luságua assume um papel de salvaguarda das empresas que têm como objetivo “otimizar gastos de exploração”.

Com a proteção dos recursos escassos cada vez mais em destaque devido às alterações climáticas, a empresa Luságua, do grupo Aquapor, decidiu apostar na telegestão. Esta técnica surge como uma “resposta rápida, eficaz e eficiente” às ameaças do desaparecimento destes recursos e segurança da água e saneamento.

Com quatro unidades de engenharia de telegestão, em Lisboa, Alcanena, Maia e Braga, a Luságua consegue realizar um “eficaz controlo local e à distância, de infraestruturas de captação, tratamento, armazenamento e distribuição de água”, além de “drenagem, tratamento e rejeição de águas residuais”.

A empresa assume que com esta tecnologia de permanente monitorização e de “possibilidade de prever futuros problemas”, assume um papel de salvaguarda com as empresas que têm como objetivo “otimizar gastos de exploração”, bem como “controlar e minimizar as intervenções no terreno”.

“A Luságua disponibiliza estas ferramentas na área da água e alarga aos resíduos e energia, com o desenvolvimento de soluções técnicas que permitem uma melhor racionalização da utilização deste bem, disponibilizando-as também para diferentes tipos de indústria” para otimizar os processos automáticos de controlo, sustenta a empresa em comunicado.

Recomendadas

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.

Navigator dispensa Moody’s e S&P

A justificação para dispensar as agências que classificam o risco do emitente radica no processo de reestruturação da dívida.
Comentários