Luságua aposta na telegestão para aumentar eficiência

Com esta tecnologia de permanente monitorização que visa “a possibilidade de prever futuros problemas”, a Luságua assume um papel de salvaguarda das empresas que têm como objetivo “otimizar gastos de exploração”.

Com a proteção dos recursos escassos cada vez mais em destaque devido às alterações climáticas, a empresa Luságua, do grupo Aquapor, decidiu apostar na telegestão. Esta técnica surge como uma “resposta rápida, eficaz e eficiente” às ameaças do desaparecimento destes recursos e segurança da água e saneamento.

Com quatro unidades de engenharia de telegestão, em Lisboa, Alcanena, Maia e Braga, a Luságua consegue realizar um “eficaz controlo local e à distância, de infraestruturas de captação, tratamento, armazenamento e distribuição de água”, além de “drenagem, tratamento e rejeição de águas residuais”.

A empresa assume que com esta tecnologia de permanente monitorização e de “possibilidade de prever futuros problemas”, assume um papel de salvaguarda com as empresas que têm como objetivo “otimizar gastos de exploração”, bem como “controlar e minimizar as intervenções no terreno”.

“A Luságua disponibiliza estas ferramentas na área da água e alarga aos resíduos e energia, com o desenvolvimento de soluções técnicas que permitem uma melhor racionalização da utilização deste bem, disponibilizando-as também para diferentes tipos de indústria” para otimizar os processos automáticos de controlo, sustenta a empresa em comunicado.

Recomendadas

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

Coca-Cola Portugal nomeia primeira diretora-geral de nacionalidade portuguesa

Sandra Vera-Cruz junta-se a Rui Serpa que, em 2018, assumiu funções de diretor-geral na Coca-Cola European Partners, como os únicos portugueses com funções de chefia numa das maiores empresas ligadas ao setor das bebidas a nível mundial.

Telefónica aposta mais de três mil milhões na La Liga até 2022

Números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.
Comentários