Paulo Macedo já entregou relatório da Caixa no Parlamento

O presidente da CGD, Paulo Macedo, entregou em mão a versão final do relatório da auditoria, realizado pela consultora EY, às contas do banco público, à presidente da comissão parlamentar de economia e finanças, Teresa Leal Coelho.

Foto: Cristina Bernardo

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, entregou ao início da tarde, no Parlamento, a versão final do relatório da auditoria realizada pela consultora EY, que analisou a gestão do banco público entre 2000 e 2015.

Paulo Macedo entregou em mão o polémico relatório à presidente da comissão parlamentar de economia e finanças (COFMA), Teresa Leal Coelho.

O relatório da auditora EY aos créditos problemáticos do banco público vai ser entregue truncado, isto é, expurgado de informação sigilosa que esteja protegida por sigilo bancário.

A comissão parlamentar do orçamento e finanças já tinha pedido anteriormente à CGD o relatório de auditoria aos créditos problemáticos do banco público. Mas o pedido foi rejeitado pela administração da Caixa invocando sigilo bancário e segredo de justiça.

Após parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) a não se opor ao envio do relatório de auditoria da EY à COFMA, o banco liderado por Paulo Macedo decidiu enviar este documento para o Parlamento. Só que o relatório vai chegar truncado ao Parlamento, isto é, sem conter informações sigilosas ou sensíveis, que estejam sob segredo bancário.

O CDS entregou na quarta-feira um requerimento a exigir a “constituição imediata e obrigatória” de uma comissão parlamentar de inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à gestão do banco de capitais públicos.

A nova comissão de parlamentar de inquérito (CPI) pretende, nos próximos quatro meses, além de averiguar a eventual interferência política nos processos de decisão do banco, a comissão vai ainda apurar as práticas da gestão da CGD relativas à concessão e gestão de crédito e de outras modalidades de financiamento desde o ano 2000 pelo Banco de Portugal. A CPI pretende escrutinar as posições de crédito e exposições financeiras de maior valor e/ou com maiores montantes em incumprimento. E propõe-se também a apreciar a atuação de todos os órgãos societários, bem como dos diretores, dos auditores externos, dos governos e supervisores financeiros.

A CPI quer ainda avaliar o impacto das práticas de crédito na recapitalização da CGD, que ascendeu a 1.650 mil milhões de euros em julho de 2012. A CPI vai também averiguar as contradições entre as declarações proferidas publicamente e aquilo que consta do relatório da consultora EY.

Recorde-se que, entre os vários partidos, CDS, Bloco de Esquerda, PSD e PS já se mostraram favoráveis à realização de uma comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, devido à concessão de créditos problemáticos.

(atualizada às14h46) 

Relacionadas

PremiumCaixa teve lucro próximo dos 500 milhões de euros em 2018

Banco do Estado apresenta hoje os resultados de 2018 e deverá apresentar um valor próximo dos 500 milhões de euros, sabe o Jornal Económico.

PremiumEstado ignorou alertas de “risco de fraude” na CGD durante sete anos

BdP, banco e tutela não deram a devida atenção a alerta, em 2007, para o risco de“fraudes e erros” sem serem detectados devido a “limitações” no controlo interno em áreas como a concessão de crédito.

Teresa Leal Coelho convoca reunião com deputados para definir moldes em que auditoria da EY é distribuída

A presidente da Comissão de Orçamento e Finanças convocou reunião com todos os coordenadores dos grupos parlamentares para definir os moldes em que é distribuído o relatório final da auditoria da EY, aos atos de gestão da CGD entre 2000 e 2015. Reunião foi convocada depois de o presidente do banco público ter entregue, ao início desta tarde, o documento no Parlamento
Recomendadas

CPI à Caixa: relatório final já foi entregue em mão à Procuradora Geral da República

O presidente da comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa entregou em mão o relatório final à Procuradora Geral da República. Entrega realizou-se na sexta-feira passada, tendo na ocasião Luis Leite Ramos dado explicações a Lucília Gago sobre os termos em que foi feito o documento, cujas conclusões poderão ter, segundo a própria CPI, relevância criminal.

Críticas ao BdP, gestão do banco e governo de Sócrates. Conheça ao detalhe o relatório da CPI à Caixa Geral de Depósitos

Relatório final reflete as conclusões retiradas pelos deputados sobre a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e a gestão do banco público. Trabalhos começaram em março e as conclusões visam vários alvos: Banco de Portugal, gestão do banco e sucessivos Governos, com destaque para o Executivo liderado por José Sócrates.

“Expressão ‘indícios de gestão danosa’ dividiu PSD dos restantes partidos” da comissão de inquérito à CGD

Shrikesh Laxmidas, diretor-adjunto do Jornal Económico, analisou para a SIC Notícias as propostas de alterações ao relatório final da II Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à Recapitalização da CGD e Gestão do banco público.
Comentários