Maioria do emprego criado até março ficou acima do salário mínimo

Em 146.384 postos de trabalhos, 25,2% tiveram uma remuneração de 580 euros. Uma queda significativa com o mesmo período de 2017, com 73,9% do emprego criado a dizer respeito a trabalhadores com o salário mínimo nacional.

O número de trabalhadores a receber o ordenado mínimo nacional (580 euros) para o emprego criado até março de 2018, desceu para os 25,2%. Números que de acordo com o jornal “Público” baseados no relatório de acompanhamento do Salário Mínimo Nacional (SMN) revelam que a maioria dos novos postos de trabalho, que se registaram neste período ficaram acima dos 580 euros.

Nos primeiros três meses do ano existiam mais 146.384 trabalhadores declarados à Segurança Social, do que no mesmo período de 2017, sendo que 36.900 auferiam os 580 euros mensais, correspondentes aos 25,2%. Uma queda percentual significativa, já que no último ano 73,9% do emprego criado estava relacionado com trabalhadores, com o SMN.

Este relatório mostra também que a incidência do salário mínimo caiu ligeiramente entre os jovens, de 30,6% em março de 2017, para os 30%, no primeiro trimestre de 2018.

O aumento mais elevado do salário (6%) ocorreu nos trabalhadores com uma remuneração entre os 530 e os 600 euros. Para quem recebia remunerações intermédias, entre os 600 e 1800 euros, a subida foi superior a 3%.

Recomendadas

Itália: Draghi assenta Plano de Recuperação em cinco pilares distintos

Com um texto de mais de 300 páginas, o governo italiano apresentou um esboço do que poderá ser o plano de recuperação do país. O plano definitivo só será conhecido a 30 de abril.

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.

PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.
Comentários