Mais de 100 autarquias vão reembolsar IRS este ano

No Norte, é onde se situam as autarquias menos generosas e que não dão aos moradores qualquer benefício fiscal. Ao todo são 204 câmaras que prescindem dos descontos no IRS a favor dos seus habitantes.

O número de autarquias que concedem descontos no IRS aos moradores tem vindo a aumentar nos últimos anos. No total são mais de 104 municípios, na sua maioria de pequena ou média dimensão, que já oferecem um alívio na carga fiscal, mas ainda são muitos os que não devolvem nada, ficando com os 5% que recebem do Estado só para si.

Segundo o ‘Jornal de Negócios’, este ano registou-se um novo recorde no número de autarquias que aderiram ao mecanismo de devolução do IRS aos moradores. Lisboa destaca-se entre os grandes centros urbanos, como o município mais generoso, ao proporcionar um desconto de 2,5% a quem vive na capital. Logo de seguida aparecem munícipios como Cascais (1,25%), Amadora, Sintra e Funchal (1%), Coimbra (0,5%%) e Braga (0,45%).

No Norte, é onde se situam as autarquias menos generosas e que não dão aos moradores qualquer benefício fiscal. Ao todo são 204 câmaras que prescindem dos descontos no IRS a favor dos seus habitantes.

Desde 2008, com a entrada em vigor da nova Lei das Finanças Locais, os municípios passaram a poder fazer dar aos seus moradores parte do imposto que lhes é transferido pelo Estado. Segundo dados da Autoridade Tributária (AT), no próximo ano tudo indica para que o número de câmaras a dar benefícios fiscais passe a ser de 113.

Recomendadas

Endividamento do sector não financeiro chegou aos 742 mil milhões em novembro

O sector público viu um crescimento de 1,4 mil milhões de euros no seu endividamento, quando comparado com outubro, enquanto que o privado verifica 0,7 mil milhões a mais. A variação total do endividamento no sector não financeiro foi, assim, de 2,1 mil milhões de euros.

Financiamento das administrações públicas sobe para 10,3 mil milhões de euros até novembro

O regulador bancário explica que desde o início do ano e até novembro, as administrações públicas financiaram-se junto de bancos residentes em 10,7 mil milhões de euros e junto do exterior em 0,5 mil milhões de euros.

Marcelo defende que escolas devem “fechar o mais cedo possível”

Apesar de apontar efeitos demolidores para os estudantes, Marcelo Rebelo de Sousa defende que as escolas devem fechar o “mais cedo possível”, disse hoje ao Observador.
Comentários