Secretária de Estado dos Assuntos Europeus: “Antes de haver 50% das pessoas vacinadas, não faz muito sentido estarmos a falar em certificados de vacinação”

Ao Jornal Económico, a coordenadora operacional da presidência portuguesa, Ana Paula Zacarias, defende a importância dos certificados de vacinação, mas considera que é prematuro avançar com o debate antes do verão.

A secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, antecipa que o tema dos certificados de vacinação apenas seja discutido com mais afinco ao alto nível nas instituições europeia “a meio, fim do verão” e só depois de 50% da população estar vacinada. A coordenadora operacional da presidência portuguesa diz que é preciso acautelar a proteção de dados, mas também evitar discriminações.

O certificado de vacinação tem sido um tema em debate, mas existem divergências. Considera que seria uma solução eficaz para voltar a permitir uma maior circulação dentro da União? 

Acho que sim. Acho que a ideia de termos um certificado de vacina que possa servir a certa altura para facilitar os movimentos das pessoas em viagem é muito provável que venha a acontecer. Mas só pode acontecer no momento em que haja um número de pessoas vacinadas suficiente. Diria que não antes de 50% da população estar vacinada, porque senão gera discrepância entre as pessoas que gostariam de estar vacinadas e aquelas que não podem ainda estar vacinadas porque não chegou ainda o momento de o serem. Pode ser muito útil para evitar duplicações. Quem tem a vacina, secalhar já não precisa de fazer teste. É preciso dar espaço para a vontade individual. É preciso também dar espaço ao número de vacinações que existam não geraram um espaço para discriminação.

E será importante acautelar os dados de privacidade dos cidadãos?
Sem dúvida nenhuma. Em Portugal estamos muito habituados à utilização destes certificados das vacinas. Na nossa cultura é bastante aceite, noutros países não é tanto assim. Há pessoas que têm mais resistência à questão das vacinas, vêem como uma coisa mais cerceadora da liberdade individual. Seja como for é preciso ter cuidado e prever que esses dados não são depois utilizados de forma indevida. Os dados são importantes do ponto de vista médico, podem vir a ser importantes do ponto de vista da circulação.

Em que ponto é que está a discussão entre os Estados-membros sobre este tema?
Com alguns Estados-membros mais entusiasmados com a ideia de terem certificados de vacinas logo que possível, outros menos entusiasmados com a ideia e muitos preocupados com o facto de que qualquer coisa que se faça seja verdadeiramente europeia e que esse certificado seja utilizado. Isto introduz aqui um outro elemento que é a utilização de vacinas que não sejam as vacinas que estão neste momento autorizadas pela Autoridade Europeia de Medicamento. Um cidadão húngaro que foi vacinado com a vacina Sputnik, por exemplo, precisamos de saber o que se faz com essa pessoa em relação a um eventual certificado de vacina que venha a ser emitido a nível europeu.

Está previsto que o tema seja discutido em breve em algum Conselho?
Acho que ainda se vai dar mais tempo. Este tema vai talvez começar a ser discutido lá para o meio, fim do verão. Antes de haver 50% das pessoas vacinadas, não faz muito sentido estarmos a falar em certificados de vacinação com efeitos que não sejam exclusivamente médicos.

Ler mais
Recomendadas

Governo espera reabrir turismo em maio

“Por enquanto, as viagens não essenciais precisam de ser restritas, mas acreditamos que Portugal vai poder permitir viagens sem restrições em breve, não só para pessoas vacinadas, mas também para pessoas imunes ou que testem negativo”, afirmou Rita Marques à BBC.

SATA aprova acordo de emergência. Sindicato diz que salvou mais de 500 postos de trabalho na TAP

Num universo de 213 associados tripulantes da SATA, votaram 152 associados, com 135 votos a favor e 17 votos contra o ‘Acordo de Emergência’, releva um comunicado do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, dando assim por concluído um processo que envolveu 40 reuniões com as administrações da PGA, da TAP e da SATA, num balanco global em que o sindicato destaca que se salvaram mais de 500 postos de trabalho na TAP.

Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.
Comentários