Marcelo afasta hipótese de crise política: “A melhor solução é executar este Orçamento do Estado”

Em entrevista à Antena 1, o Presidente candidato a um segundo mandato defende a importância das medidas para travar a pandemia. “A pandemia vai custar toda tanto quanto o valor da bazuca europeia, 15 mil milhões”.

Marcelo Rebelo de Sousa defende que Portugal não tem alternativa que não seja contrair dívida para fazer frente à crise económica e social gerada pela pandemia e prefere esperar pela execução do atual Orçamento do Estado (OE) antes de se equacionar um possível suplementar. As declarações foram proferidas na entrevista da manhã desta quinta-feira à Antena 1.

Para o Presidente da República e candidato a novo mandato “não há outro remédio” que não o da dívida, dado o impacto que está a ter a pandemia e o provável calendário de mobilização efetiva dos apoios incluídos no Plano de Recuperação Europeu.

“As pessoas têm de perceber que, mesmo do ponto de vista da economia e da sociedade, não tentar conter, travar e inverter a doença significava termos o primeiro trimestre perdido e entrar no segundo  com uma situação desgraçada”, argumentou o presidente, para quem cada mês adicional de pandemia corresponde a um mês adicional de “crise económica profunda”.

“A pandemia vai custar toda tanto quanto o valor da bazuca, vai valer os 15 mil milhões, tudo somado um ano ou um ano e meio de pandemia”, disse, sobre o pacote de ajuda financeira europeu.

Por outro lado, para Marcelo é “insensato” considerar já um OE suplementar, visto que o inicialmente aprovado para este ano “ainda não começou a ser executado” e é, por enquanto, impossível fazer uma fidedigna “avaliação económica”. O presidente apelou a que tal só seja considerado daqui a uns meses, quando for mais clara a evolução pandémica.

Assim, o Presidente considera também que uma crise política neste momento é tudo o que o país não necessita, dada a situação social e económica nacional.

“Neste momento, a melhor solução é executar este OE e minimizar tudo o que seja juntar à crise pandémica e à crise económica e social uma crise política”, afirmou.

Quanto à possibilidade de haver uma abstenção ainda maior do que a já verificada quase sistematicamente nos atos eleitorais portugueses, Marcelo sublinhou a importância do voto durante uma situação como a que o país e o mundo agora atravessam.

“As pessoas têm de perceber a importância do seu voto em pandemia. É mais importante votar em pandemia do que sem pandemia”, defendeu, reconhecendo ainda assim que poderá haver medo gerado pelo confinamento.

Recomendadas

Estudo da COTEC e da Nova IMS prevê que número de infetados com Covid comece a diminuir na próxima semana

Já os internamentos deverão continuar a subir até ao final de janeiro, esperando-se nessa data um total de 6.400 internados, dos quais cerca de 900 internados em cuidados intensivos, antevêem as mesmas instituições.

Portugal regista 159 óbitos por Covid-19, novo recorde diário de mortes. Há mais 10.663 casos confirmados

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a mais afetada. Casos ativos de Covid-19 ascendem hoje aos 125.861 infetados, mais 4.046 do que na quinta-feira. A DGS reporta também 4.560 internamentos (mais 192 do que ontem), dos quais 622 (mais 11 do que na sexta-feira) nos cuidados intensivos.

#VermelhoEmBelém. Batom vermelho entra na campanha presidencial em resposta a André Ventura

Utilizadores do Twitter, homens e mulheres, uniram-se para apoiar a candidata bloquista perante os insultos proferidos por André Ventura, mostrando os lábios pintados de vermelho, à semelhança do batom usado por Marisa Matias, apelando ainda ao voto das presidenciais.
Comentários