Marcelo volta a rejeitar crise política em caso de chumbo do Orçamento do Estado (com áudio)

O agravamento da pandemia, o aumento dos preços da energia e uma recuperação lenta da economia são alguns dos desafios que assombram Portugal, a Europa e o mundo, relembra o Presidente da República.

Twitter

O Presidente da República considera que já existem “muitos problemas no horizonte” tanto a nível nacional como europeu e mundial e por isso descarta um cenário em que se instala uma crise política em Portugal como consequência de um eventual chumbo do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

“Olho para o mundo e Europa, vejo que a recuperação não está a começar, a pandemia está a voltar, a situação a agravar, os preço da energia a subir — muitos problemas no horizonte. Uma crise política só se juntaria aos problemas” que já existem, disse Marcelo, esta sexta-feira, em Londres depois de ter visitado a exposição de Paula Rego, na Tate Gallery.

“Esperava e espero, e desejava e desejo que seja possível ter orçamento. Não é por acaso que na nossa historia política não existem muitos episódios de um orçamento chumbado”, relembra, fazendo ecoar as palavras proferidas de António Costa, esta quarta-feira, quando argumentou que “ao longo dos últimos seis anos temos tido resultados positivos” e que por isso “não vê razões para que à sétima seja diferente”.

Até ao momento, António Costa, PCP e Bloco de Esquerda ainda não chegaram a acordo para garantir a viabilização do OE2022 que vai a votação esta quarta-feira no Parlamento. Na verdade, e de acordo com o jornal “Público“, os bloquistas anunciaram esta segunda-feira que todas as nove propostas sugeridas foram recusadas pelo Governo.

Questionado sobre irá voltar a chamar os partidos a Belém, Marcelo Rebelo de Sousa garante que não. “Tenho acompanhado à distancia o que se passa e não quero interferir nos contactos muito seguidos, pormenorizados entre partidos e Governo”.

“O Presidente agora aguarda para ver o epílogo desses contactos e o sentido da votação”, atirou, recusando responder as mais perguntas depois de repetir as palavras de ontem: “Eu trabalho no cenário mais desejável [aprovação do OE2022]. Não trabalho com base em mais nenhum”.

Relacionadas

Carlos César pressiona PCP e BE: “Sentem-se melhor a fazer oposição ou a fazer acordos?”

O presidente socialista entrou hoje em jogo para pressionar os bloquistas e comunistas nas negociações para a viabilização do OE2022, defendendo a posição do PS de não ceder nos seus princípios.

“Funciono na base do cenário de que não há chumbo do Orçamento”, admite Marcelo

Questionado sobre se está preocupado sobre um possível chumbo do OE2022, Marcelo Rebelo de Sousa mantém a confiança na sua aprovação, garantindo que não espera “outro cenário”.

PremiumSem resposta aos problemas do país não haverá OE, diz PCP

Os comunistas referem que a posição “de resistência e recusa” do Governo contrasta com anos anteriores e impede “aproximações” reais.
Recomendadas

Farmácias fazem “tudo o que é humanamente possível” face à procura de testes

Segundo disse Ema Paulino à Lusa, na terça-feira as farmácias portuguesas realizaram 47.500 testes de antigénio, quando na sexta-feira anterior foram feitos cerca de 30.500 despistes do coronavírus.

Já foram multados 152 passageiros e 10 companhias nas fronteiras aéreas por falta de teste

Os dados do MAI avançam também que pelo menos 10 companhias aéreas foram multadas por terem transportado passageiros sem teste negativo à covid-19 ou certificado de recuperação, condições obrigatórias desde quarta-feira para entrar em Portugal continental através das fronteiras aéreas.

Câmara de Lisboa diz que ministra da Saúde tem de “pôr ordem” na vacinação

“A ministra tem de pôr a casa em ordem, tem de pôr os serviços de saúde em ordem e a funcionarem bem, coisa que não está a acontecer”, disse Ângelo Pereira, à margem de uma iniciativa a propósito do Dia Internacional de Pessoa com Deficiência.
Comentários