Mariana Mortágua: “Qual é o artigo na lei utilizado para a EDP alegar que não deve pagar imposto de selo?”

A deputada do Bloco de Esquerda considera que as regras fiscais exigem que a EDP pague 110 milhões de euros de imposto de selo sobre a venda de seis barragens no Douro por 2,2 mil milhões de euros a um consórcio francês.

Cristina Bernardo

A deputada Mariana Mortágua defendeu no Parlamento que as regras fiscais em vigor em Portugal não isentam a EDP de pagar imposto de selo pela venda de seis barragens no rio Douro a um consórcio francês por 2,2 mil milhões de euros.

“O problema é que a venda de barragens, pela lei, paga imposto de selo. Está escrito no Código do Imposto do Selo que a venda de concessões de barragens paga imposto de selo”, disse hoje a deputada bloquista na comissão parlamentar de ambiente e energia.

“A EDP cria uma empresa nova para fazer a venda. Está certíssimo. Mas a transmissão da concessão para as empresas novas paga imposto de selo. A não ser que a EDP diga, ‘isto não é uma simples criação de empresa, isto é uma reestruturação de um ramo de negócio’. Qual é o problema? Não é uma reestruturação de um ramo de negócio, é uma empresa nova para ser vendida, portanto, paga imposto de selo”, afirmou Mariana Mortágua esta terça-feira, 16 de março.

“Mas mesmo que a EDP conseguisse convencer alguém que isto é uma verdadeira reestruturação, continua a pagar imposto de selo porque o artigo 60 do EBF [Estatuto dos Benefícios Fiscais] não isenta as concessões de barragens do pagamento do imposto de selo”, defendeu.

Na sua intervenção inicial, o presidente executivo da EDP disse que “o imposto de selo não é devido por lei”, justificando esta isenção devido a uma “diretiva europeia que impede a aplicação do imposto de selo a operações como esta. Este entendimento já foi expresso pela própria Autoridade Tributária (AT)”.

Mas a deputada do Bloco de Esquerda tem uma opinião contrária e considera que as regras fiscais exigem o pagamento do imposto de selo nestas operações.

“E ao contrario do que aqui foi dito, nem a diretiva isenta, nem a AT isenta. Há uma informação vinculativa de 2019 em que a AT expressa a sua opinião de que não há nenhuma isenção. Por isso repito a minha questão: qual foi o artigo utilizado para a EDP alegar que não deve pagar imposto de selo? A diretiva nao tem aplicação legal, tem de haver um artigo na lei para este argumento que a EDP nos traz”, segundo a bloquista.

A EDP vendeu seis centrais a um consórcio francês no valor de 2,21 mil milhões de euros, constituído peças empresas: (participação de 40%), Crédit Agricole Assurances (35%) e Moriva – Grupo Natixis (25%). O negócio ficou concluído na reta final de 2020.

Na sua resposta final, o presidente executivo da EDP voltou a dizer que este tipo de operações não está sujeita ao pagamento de imposto de selo.

“Confesso que de memória não tenho o artigo, mas tenho presente que nos termos da lei portuguesa esta transação não tem imposto de selo. Isto resulta também de uma diretiva europeia e das orientações da Autoridade Tributária. De facto, este tipo de operações não tem imposto de selo”, respondeu Miguel Stilwell de Andrade.

O presidente da EDP foi chamado ao Parlamento a requerimento do PSD. No documento em que exigem a presença do gestor, os sociais-democratas aponta que “de forma direta, pode estar em causa o não pagamento de imposto de selo, estimado em 110 milhões de euros. Importa clarificar se haverá lugar ao pagamento desta obrigação ou se o planeamento fiscal efetuado contribuirá para defraudar o interesse dos contribuintes”.

Também a líder do Bloco de Esquerda tem criticado publicamente esta operação. “O Governo fechou os olhos ao negócio ao esquema da EDP para fugir aos impostos e ao fechar os olhos, na verdade, tornou-se cúmplice destes 110 milhões de euros que são devidos ao povo transmontano”, disse Catarina Martins no final de fevereiro.

Relacionadas

Presidente da EDP sobre venda de barragens no Douro: “Imposto de selo não é devido por lei”

O presidente da EDP foi chamado ao Parlamento para responder sobre o negócio da venda de seis barragens no Douro. O Bloco de Esquerda e o PSD têm questionado se a EDP não devia pagar 110 milhões de euros em imposto de selo por esta operação, mas a elétrica diz que o imposto de selo não se aplica a operações deste tipo.
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

EDP: Catarina Martins diz que Governo é “cúmplice dos 110 milhões de euros devidos ao povo transmontano”

Catarina Martins considerou “hipocrisia falar-se do desenvolvimento do interior ao mesmo tempo que se permite que a EDP assalte o povo transmontano ao roubar-lhes 110 milhões de euros em impostos”.

Venda de barragens no Douro. Presidente da EDP e ministros das Finanças e do Ambiente chamados ao Parlamento

Os ministros do Ambiente e das Finanças e o presidente executivo da EDP vão ser ouvidos no parlamento a propósito do negócio da venda seis barragens da EDP, na sequência da aprovação dos requerimentos do PSD e do BE.
Recomendadas

Casino Lisboa fechado temporariamente devido ao travão ao desconfinamento na capital

O grupo Estoril Sol definiu ainda um novo horário para o Casino Estoril, que está agora aberto a partir das 13h00 e encerra às 01h00.

Tik Tok cobra até dois milhões por dia por destaques publicitários

O preço total aumentou em grande parte devido à crescente base de clientes da rede social. Só nos EUA a aplicação tinha mais de 100 milhões de utilizadores ativos por mês em agosto.

Alienação de participações em blocos ajuda Sonangol a reduzir exposição financeira e dívidas

A abertura do processo emerge “de ações que visam o reposicionamento e sustentabilidade da carteira de investimentos da Sonangol para assunção dos seus compromissos financeiros nas concessões petrolíferas e com as instituições bancárias”, bem como a redução da exposição financeira da empresa.
Comentários