Mário Centeno exclui aplicação de medidas de austeridade

“Esta crise deve ser enfrentada de forma temporária e não vão existir o mesmo tipo de efeitos que outra crise fundada em desequilíbrios estruturais e de contas externas provocou”, esclareceu o ministro das Finanças.

Cristina Bernardo

O ministro das Finanças, Mário Centeno, negou que estejam a ser equacionadas eventuais medidas de austeridade no sentido de garantir a estabilidade das contas públicas face à possível queda do PIB resultante da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

“Esta crise deve ser enfrentada de forma temporária e não vão existir o mesmo tipo de efeitos que outra crise fundada em desequilíbrios estruturais e de contas externas provocou”, esclareceu o ministro das Finanças.

No dia em que se tornou oficial o primeiro excedente em democracia, referente às contas públicas de 2019, Mário Centeno realçou que este resultado “é garantia de uma base económica sólida” mas que a pandemia vai exigir um esforço de todos os agentes económicos já que, da parte do Governo, as medidas de apoio às empresas vão permitir que as mesmas mantenham os empregos.

Mário Centeno realçou que Portugal está a enfrentar uma crise temporária mas que se reflete com uma intensidade “nunca registada na nossa capacidade produtiva”. Desta forma, o chefe da pasta das Finanças destacou a importância de retomar a atividade produtiva “de forma gradual” tão rápido quanto possível e “quando as condições sanitárias o permitirem”.

Manter financiamento com “adaptações necessárias”

O Ministério das Finanças vai manter o planeamento de emissão de dívida e de financiamento, se bem que esse plano possa sofrer algumas alterações. “Esse plano de financiamento está a sofrer ajustamentos em virtude dos impactos temporários e de necessidade liquidez nesta fase. Temos tido condições de proteção ao financiamento, estamos confiantes que, atendendo às medidas que temos adotado e que estão alinhadas com outros países, que possamos continuar a cumprir esse plano com as adaptações necessárias, baseadas na recuperação da economia”, realçou.

Ler mais

Relacionadas

Centeno admite “recessão” de “alguns pontos percentuais do PIB” para este ano

O ministro das Finanças apontou que a “recessão” poderá fazer com que o “saldo orçamental se venha deteriorar em alguns pontos percentuais do PIB”, disse no mesmo dia em que se soube que o país registou o primeiro excedente orçamental em 47 anos.

Centeno: “Portugal nunca esteve tão bem preparado para uma crise como hoje”

A garantia foi dada por Mário Centeno no dia em foi confirmado que Portugal atingiu pela primeira vez um saldo orçamental positivo em democracia. Há 47 anos, desde 1973, que o país não atingia um excedente orçamental: de 0,2% do PIB em 2019.

Pela primeira vez em democracia, Portugal teve excedente orçamental de 0,2% em 2019

Centeno fecha 2019 com um excedente orçamental e supera as projeções inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2020, que apontava para um défice de 0,1% do PIB.
Recomendadas

Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.
Comentários