Mario Draghi mostra-se preocupado com independência da Reserva Federal dos EUA

“Certamente estou preocupado com a independência do banco central em outros países, especialmente na jurisdição mais importante do mundo”, afirmou o presidente do Banco Central Europeu sobre os EUA.

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, diz-se preocupado com a independência da Reserva Federal dos Estados Unidos, alertando que a perda da sua autonomia poderia minar a credibilidade da política, revela a agência “Reuters”.

A indicação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de dois candidatos polémicos ao conselho da Fed e apelos persistentes para cortes nas taxas, fez suar os alarmes da interferência do Governo, desafiando um princípio fundamental do banco central moderno.

“Certamente estou preocupado com a independência do banco central em outros países, especialmente na jurisdição mais importante do mundo”, afirmou o presidente do Banco Central Europeu sobre os EUA.

“Se o banco central não é independente, então as pessoas podem pensar que as decisões da política monetária seguem o conselho político em vez de uma avaliação objetiva das perspetivas económicas”, referiu Mário Draghi em conferência de imprensa.

Os Governos da Turquia, da Índia e dos Estados Unidos pressionaram os seus bancos centrais nos últimos meses, levando a um debate sobre o valor da independência.

“Dentro do (seu) mandato, no entanto, os bancos centrais devem ser deixados livres para escolher qual é a melhor maneira de cumprir o mandato”, afirmou o líder do BCE.

Ainda assim, Mário Draghi argumentou que não vê uma ameaça semelhante à independência do BCE, dadas as garantias legais, e também não acredita que casos de interferência em outros setores bancários venham a colocar em causa a confiança global.

Ler mais
Recomendadas

Moody’s atira rating do BPI para o nível “lixo”

A instituição destacou que “os depósitos de clientes representam a principal fonte de ‘funding’ [financiamento] do banco BPI, fonte que recentemente foi complementada com a emissão de obrigações hipotecárias que têm uma notação de Aa3”.

Endividamento da economia nacional bate recorde: 727 mil milhões de euros

Há quatro meses consecutivos que o endividamento da economia portuguesa aumenta. Apesar do setor privado representar a maior fatia no endividamento, verificou-se um crescimento do endividamento do setor público.

Sindicatos entregam novas propostas de aumentos salariais ao BCP

Acordo salarial para dois anos ou, em alternativa, um aumento mínimo fixo são as propostas apresentadas pelos Sindicatos dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) e do Centro (SBC) à administração do banco que insiste não ser possível ir além de aumentos salariais de 0,6%.
Comentários