Mário Nogueira agradece a António Costa a decisão de continuar à frente da Fenprof

“O PS, o Governo e António Costa ajudaram-me a tomar uma decisão. Irei ser secretário-geral da Fenprof se o congresso assim decidir em 15 de junho, porque o Governo, o PS e António Costa merecem que a luta continue e eu estou disponível para a liderar”, disse hoje o secretário-geral da Fenprof.

Foto cedida

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, disse hoje que será candidato a continuar à frente da federação de professores e agradeceu ao Governo e ao primeiro-ministro, António Costa, a ajuda na tomada de decisão.

“O PS, o Governo e António Costa ajudaram-me a tomar uma decisão. Irei ser secretário-geral da Fenprof se o congresso assim decidir em 15 de junho, porque o Governo, o PS e António Costa merecem que a luta continue e eu estou disponível para a liderar. Se tenho que agradecer a alguém esta decisão tomada hoje quando saí dali é ao Governo, ao António Costa que ficará indissociavelmente ligado à minha continuidade à frente da Fenprof”, disse Mário Nogueira aos jornalistas.

Questionado à saída da Assembleia da República, Mário Nogueira confirmou que pretende continuar à frente da federação sindical mais representativa dos professores, facto a que não é alheio o desfecho da votação de hoje.

Mário Nogueira, ao lado de outros dirigentes e líderes sindicais, entre os quais o secretário-geral da Federação Nacional de Educação (FNE), João Dias da Silva, assistiu hoje nas galerias do hemiciclo à votação que ditou o chumbo do texto final da apreciação parlamentar do diploma sobre o tempo de serviço e que inviabilizou a recuperação dos mais de nove anos de tempo de serviço congelado reivindicados pelos docentes.

Depois de já ter garantido que os professores não vão desistir da luta pela contagem integral do tempo de serviço, Mário Nogueira confirmou também que a liderança dessa luta continuará a passar por si.

A confirmação surge também dias depois de ter sido avançado que a insatisfação com a posição assumida pela esquerda parlamentar face à votação do diploma dos professores, nomeadamente do PCP, estaria a levar Mário Nogueira a ponderar a saída do partido, do qual é militante, algo que veio depois negar.

O congresso da Fenprof decorre a 14 e 15 de junho.

Ler mais
Relacionadas

Professores: PSD afasta críticas da esquerda e sublinha que votação “não suporta o Governo”

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, sublinhou que o PSD não “suporta o Governo” no Parlamenta, ao contrário do PCP, BE e PEV, e garantiu que voto contra o diploma dos professores não foi um recuo do partido.

PS nega mal-estar na geringonça e diz que é preciso compatibilizar contas públicas com dimensão social

O líder da bancada parlamentar e presidente do PS, Carlos César, afirma que a prioridade do Governo é compatibilizar o equilíbrio das contas públicas com dimensão social, tal como tem vindo a dizer aos partidos que sustentam o PS no Parlamento.

Chumbo do descongelamento integral das carreiras: Professores ameaçam com greve

Mário Nogueira considera que os outros partidos “não estão a ter a maleabilidade suficiente para perceberem que, sem abdicarem dos seus partidos, poderiam fazer o esforço para fazer prevalecer” o que os professores consideram essencial.
Recomendadas

António Costa não vai mexer no dossiê dos professores: “É um assunto bem encerrado”

O primeiro-ministro e fontes próximas do mesmo indicaram ao “Expresso” que a reestruturação da carreira docente está fora do programa do PS para as próximas legislativas.

António Costa diz que chumbo da contagem total do tempo dos professores foi “uma vitória da responsabilidade”

O primeiro-ministro considera que o resultado da votação em plenário esta sexta-feira é “clarificador” e respeita o princípio da equidade, equilibrando as contas públicas e mantendo a credibilidade internacional.

PS nega mal-estar na geringonça e diz que é preciso compatibilizar contas públicas com dimensão social

O líder da bancada parlamentar e presidente do PS, Carlos César, afirma que a prioridade do Governo é compatibilizar o equilíbrio das contas públicas com dimensão social, tal como tem vindo a dizer aos partidos que sustentam o PS no Parlamento.
Comentários