Marisa Matias: Bruxelas entre a “chantagem dos países frugais e dos agressores do Estado de Direito”

“Cedência atrás de cedência colocou-nos aqui e a minha pergunta é: até quando? O que é que vai restar do projeto europeu? Se não tivermos uma resposta firme de solidariedade, se continuarmos a aceitar a aceitar a chantagem daqueles que não o querem solidário”, questionou Marisa Matias no mesmo dia que a Hungria e Polónia confirmaram os seus vetos ao Orçamento europeu.

Numa intervenção no Parlamento em Bruxelas, Marisa Matias pediu esclarecimentos sobre o que será o futuro do projeto europeu e apontou que a União Europeia está “entalada entre a chantagem dos ditos frugais e a chantagem dos agressores do estado de direito”

“Numa crise sem precedentes precisamos de uma resposta sem precedentes e estamos perante um impasse que em nada ajuda o projeto europeu nem aqueles que estão a sofrer com a crise”, referiu Marisa Matias num vídeo da sua participação no debate, publicado esta quinta-feira, 26 de novembro, no Twitter.

“Neste momento assistimos a uma União Europeia, a um projeto europeu entalado entre a chantagem dos ditos frugais e a chantagem dos agressores do estado de direito e da democracia”, garantiu a candidata presidencial apoiada pelo Bloco de Esquerda.

“Cedência atrás de cedência colocou-nos aqui e a minha pergunta é: até quando? O que é que vai restar do projeto europeu? Se não tivermos uma resposta firme de solidariedade, se continuarmos a aceitar a aceitar a chantagem daqueles que não o querem solidário, se aceitarmos a chantagem daqueles que querem o o Estado de Direito seja apenas uma flor na lapela, o que é que vai restar do Projeto Europeu?”, questionou a eurodeputada.

Para Marisa Matias, é preciso “dar uma resposta a esta crise e precisamos que essa resposta seja em linha daquilo que são as necessidades concretas das pessoas que estão a sofrer”. “Começamos este projeto e a senhora presidente da comissão apresentou esta proposta como sendo livre de condicionalidade. Chegamos ao final deste projeto com total condicionalidade, já sem sequer as metas ambientais a serem cumpridas e ainda por cima com esta chantagem vergonhosa”, completou.

Esta quinta-feira, os primeiros-ministros da Hungria, Viktor Orbán, e da Polónia, Mateusz Morawiecki, confirmaram hoje o veto aos orçamentos europeus, enquanto o pagamento dos fundos comunitários estiver condicionado ao cumprimento do Estado de Direito, segundo a agência “Lusa”.

Ler mais
Relacionadas

Hungria e Polónia confirmam veto aos orçamentos europeus

Os primeiros-ministros da Hungria, Viktor Orbán, e da Polónia, Mateusz Morawiecki, confirmaram hoje o veto aos orçamentos europeus, enquanto o pagamento dos fundos comunitários estiver condicionado ao cumprimento do Estado de Direito.

Parlamento Europeu aprova 37,5 milhões de ajuda a Portugal no combate à Covid-19 e catástrofes

Ao todo serão distribuídos 823 milhões por 19 Estados-membros da União Europeia. A maioria, 683,7 milhões de euros, irá para a Croácia, para apoiar os esforços de reconstrução após o terramoto de março e dar resposta às consequências da pandemia.
Recomendadas
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

“Ingerência” ou “acusações falsas”? Caso do procurador europeu divide Parlamento Europeu

Apenas o grupo político europeu que integra o PS aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O grupo político do PSD e CDS-PP diz que “disparates destes são próprios de outras latitudes” e que é preciso investigar o caso. Já o GUE/NGL, onde está o BE e o PCP, não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

PS pede a PSD que evite “aproveitamento partidário” da pandemia

“Temos de evitar que haja tentativas de aproveitamento partidário numa circunstância especialmente difícil, dramática, da nossa vida coletiva”, disse à agência Lusa o dirigente socialista, respondendo, assim, a Rui Rio, que pediu hoje ao primeiro-ministro, António Costa, para encerrar as escolas a partir de quinta-feira, de modo a conter a propagação do SARS-CoV-2.
Comentários