Media Capital reduz 41% dos prejuízos para 8,5 milhões no semestre

O grupo atingiu os 72,8 milhões de euros de rendimentos operacionais nos primeiros seis meses de 2021, o que representa um crescimento de 32% no semestre comparativamente a igual período de 2020.

O Grupo Media Capital melhorou os prejuízos em 5,9 milhões, situando-se nos -8,5 milhões de euros no primeiro semestre de 2021, o que se traduz numa redução de 41% dos resultados negativos, que no período homólogo foi de -14,4 milhões.

O grupo atingiu os 72,8 milhões de euros de rendimentos operacionais nos primeiros seis meses de 2021, o que representa um crescimento de 32% no semestre comparativamente a igual período de 2020.

O EBITDA do grupo, ajustado de gastos com provisões e reestruturações, melhorou 7,9 milhões, atingindo os -2,0 milhões no primeiro semestre de 2021, anuncia a dona da TVI, esta quarta-feira.

A Media Capital atribui esta melhoria à recuperação do mercado publicitário, mas também na melhoria dos indicadores de audiência, que permitiram ao grupo o reforço das suas quotas no mercado publicitário. “Excluindo gastos com provisões e reestruturações, o EBITDA consolidado do grupo no primeiro semestre foi negativo em -2,0 milhões, o que compara positivamente com -9,9 milhões em 2020”, lê-se no documento.

Os gastos operacionais, excluindo amortizações, depreciações, gastos com provisões e reestruturações, registaram um acréscimo de 15% nos primeiros seis meses de 2021, passando de 65,2 milhões no primeiro semestre de 2020, para  74,8 milhões de euros em 2021.

Quanto ao resultado operacional (EBITA), este foi de -9,3 milhões no primeiro semestre de 2021, o que compara com -15,9 milhões em 2020.

Por sua vez os resultados financeiros (líquidos) passaram de -1,0 milhões para -1,1 milhões, devido ao ligeiro incremento de juros.

A empresa controlada por Mário Ferreira diz que a TVI cresceu 3,3 pontos de quota durante o primeiro semestre, face ao período comparável de 2020, passando de uma média diária de 14,0% para 17,3%. “Paralelamente, a TVI reduziu a diferença para o principal concorrente de 6,3 pontos no acumulado do primeiro semestre de 2020, para 2,4 pontos no mesmo período de 2021. Considerando os lares com cabo, que representam a esmagadora maioria dos lares portugueses, essa diferença situa-se em um ponto percentual”.

Destaque ainda para a conclusão, em maio, do processo de refinanciamento da totalidade do passivo financeiro, que permitiu reforçar o balanço do grupo Media Capital através da extensão da maturidade das dívidas contratadas junto das entidades financeiras e do alinhamento do plano de reembolsos com a tendência de crescimento da atividade do grupo.

Simultaneamente, o grupo conseguiu manter uma taxa de financiamento inferior ao sector, principalmente considerando a maturidade das emissões contratadas, revela o comunicado.

A dívida líquida do grupo reduziu-se em  7,8 milhões de euros, em comparação com a posição no período homólogo do ano anterior.

O grupo destaca que os rendimentos do negócio digital do Grupo cresceram 90% e o que EBITDA, ajustado de provisões e reestruturações, passa a valor positivo, crescendo mais de 1,1 milhões em relação ao período homólogo.

Recomendadas

Pedro Reis, candidato a bastonário dos Economistas: “Queremos fazer diferente sem rejeitar o passado”

A Ordem dos Economistas vai a votos no final do ano e na corrida aos órgãos sociais está a lista encabeçada por Pedro Reis, candidato a bastonário com o apoio do atual líder da Ordem, Rui Leão Martinho. Em entrevista à plataforma multimédia JE TV, e em resposta a alguns críticos, o ex-presidente da AICEP considerou que não é uma desvantagem ser membro recente da Ordem.

Processo de despedimento coletivo está a ser finalizado, garante CEO da TAP

“Nesta crise, a TAP ajustou-se e definiu um novo plano – TAP 3.0. Ainda estamos na expectativa da sua aprovação, mas já iniciámos a sua implementação”, adiantou Christine Ourmières-Widener, na Conferência Internacional de Controlo de Tráfego Aéreo, que decorre no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

CEO da TAP afirma que crise dos combustíveis teve “impacto é negativo mas ainda não é possível quantificar”

“O resultado é negativo porque não é algo que pudesse ser previsto”, afirmou Cistine Ourmières-Widener, que falava na Conferência Internacional de Controlo de Tráfego Aéreo, promovida pela Associação portuguesa dos Controladores de Tráfego Aéreo (APCTA).
Comentários