Media: Nicolau Santos deixa o “Expresso”

O jornalista manter-se-á como cronista do jornal, no seu espaço de opinião no caderno de Economia, no site e no “Expresso Diário”, bem como na “SIC Notícias”, como comentador e como moderador do “Expresso da Meia Noite”.

 A Impresa anunciou hoje que Nicolau Santos, diretor-adjunto do “Expreso”, vai deixar o jornal no final do ano, mas que vai manter-se como cronista na publicação e comentador na “SIC Notícias”.

Em comunicado, o grupo adianta que “a decisão foi tomada pelo próprio e comunicada ontem [quinta-feira] à administração”.

Nicolau Santos manter-se-á como cronista do jornal, no seu espaço de opinião no caderno de Economia, no site e no “Expresso Diário”, bem como na “SIC Notícias”, como comentador e como moderador do “Expresso da Meia Noite”.

O “Expresso” e a Impresa “agradecem todo o empenho e dedicação de Nicolau Santos, que esteve quase 20 anos na redação e depois na direção do Expresso e manifestam a sua satisfação em continuar a contar com a visão e a opinião forte de Nicolau Santos nas marcas de informação do grupo”.

O Jornal Económico noticiou hoje que a Impresa Publishing, que edita o “Expresso” e a “Blitz”, quer reduzir os custos em quatro milhões de euros em 2018, já depois de concretizada a venda das revistas do grupo ao empresário Luís Delgado.

O grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão está a negociar a venda de 12 revistas, incluindo a “Visão”, a “Exame” e a “Caras”. O processo deverá estar concluído no primeiro dia útil de 2018 e deverá implicar a saída de entre 110 a 115 trabalhadores para a empresa de Luís Delgado.

A comissão de trabalhadores da Impresa critica o facto de, a 15 dias da transferência de ativos, ainda não existir informação sobre os trabalhadores que ficam no grupo e quais os que serão transferidos.

Este processo de alienação das revistas insere-se num processo mais vasto de reestruturação, que continuará em 2018. Num comunicado interno, a que o Jornal Económico teve acesso, a comissão de trabalhadores da Impresa diz que a administração do grupo definiu como “imperativo obter uma poupança de 4 milhões de euros, com vista a assegurar a rentabilidade da publicação “Expresso” e marcas adjacentes já a partir de 2018”.

Fontes do grupo de media contactadas pelo Jornal Económico apontaram a saída de 10 jornalistas do jornal “Expresso” e 30 trabalhadores de outros departamentos. Referiram que foi aberto um programa de rescisões e que os serviços da empresa contactaram directamente jornalistas para aderirem. Um comunicado da comissão de trabalhadores a que o Jornal Económico teve acesso confirma que “a administração da Impresa Publishing continua a abordar trabalhadores incitando-os a rescindir o seu contrato com a empresa e pressionando-os à tomada de uma decisão”.

As mesmas fontes referiram que os 30 trabalhadores não-jornalistas deveriam ser alvo de despedimento coletivo.

Segundo informação que a comissão de trabalhadores atribui à administração da Impresa, a reestruturação em curso não será concretizada “apenas com pessoal”, mas também “em outras áreas, tais como rendas, fornecedores, etc.”.

Relacionadas

Impresa quer cortar 4 milhões em custos no próximo ano

Próxima de finalizar a venda de 12 revistas a Luís Delgado, o grupo Impresa vai continuar a reduzir custos, em 2018, através de despedimento coletivo.

Balsemão quer ERC a analisar novamente compra da TVI pela Altice

Francisco Pedro Balsemão diz que chegou a falar com Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa sobre a compra, mas que “nada foi desencadeado”.

Ex-jornalista Luís Delgado perto de fechar compra da revista ‘Visão’

O também ex-presidente-executivo da Lusomundo pretende adquirir a publicação semanal e outros ativos, como a Exame, Exame Informática, Jornal de Letras e Activa, segundo o ‘Público’.
Recomendadas

Do “Cartão Vermelho” ao “Fora de Jogo”: como combater as ilegalidades do futebol português? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Presidente da República diz que Alemanha e Volkswagen prometeram e cumpriram com Portugal

“A Autoeuropa correu bem porque, em primeiro lugar – como já disse o senhor primeiro-ministro -, nós mostrámos que éramos capazes de fazer bem feito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que os portugueses também demonstraram ser capazes de ser consistentes na produção de qualidade, capacidade de resiliência e de inovação.

Portuguesa Blue Oasis Technology foi uma das startups vencedoras do programa das fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian

A empresa, com menos de um ano de vida, desenha, constrói e instala “recifes” artificiais que permitem a, recuperação de ecossistemas marinhos danificados e a reversão do declínio da biodiversidade do oceano. Noruegueses da Tekslo Seafood e argentinos da FeedVax também se destacaram.
Comentários