Mercado automóvel cai 36,3% até outubro

Por categorias e tipos de veículos, de janeiro a outubro, as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 119.339 unidades, o que se traduziu numa redução de 37,1% relativamente ao período homólogo.

Benoit Tessier/Reuters

O mercado automóvel em Portugal caiu 36,3% entre janeiro e outubro face ao período homólogo, com 143.733 novos veículos colocados em circulação, segundo dados divulgados esta segunda-feira pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP). Em outubro, a quebra homóloga foi de 13%, tendo sido vendidos 16.565 novos veículos.

“Portugal continua, assim, a ter uma das maiores quedas percentuais do mercado em toda a União Europeia”, sublinha a ACAP em comunicado.

“Esta situação é ainda mais problemática porque a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo Governo não tem qualquer medida de estímulo à procura, no nosso setor, tal como já fizeram os Governos espanhol, francês ou italiano”, continua a associação.

Por categorias e tipos de veículos, de janeiro a outubro, as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 119.339 unidades, o que se traduziu numa redução de 37,1% relativamente ao período homólogo.

Em outubro foram matriculados em Portugal 13.679 automóveis ligeiros de passageiros novos, uma queda homóloga de 12,6%.

Também o mercado de ligeiros de mercadorias registou em outubro uma evolução negativa, tendo caído 15,1% face ao mês homólogo, com 2.477 unidades matriculadas.

Em termos acumulados, nos dez meses de 2020, o mercado de ligeiros de mercadorias atingiu 21.104 unidades, uma queda homóloga de 32,1%.

Quanto ao mercado de veículos pesados, que engloba os tipos de passageiros e de mercadorias, sofreu em outubro uma quebra de 15%, tendo sido comercializados 409 veículos.

De janeiro a outubro de 2020 as matrículas de pesados totalizaram 3.290, o que representou uma queda de 32,2% relativamente ao período homólogo de 2019.

Ler mais

Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários