Metalogalva investe sete milhões para reforçar produção em 58%

O projeto possibilitará a criação de 100 novos postos de trabalho, a acrescentar aos 650 empregos já existentes nas unidades industriais da Metalogalva da Trofa e de Albergaria-a-Velha.

A empresa portuguesa Metalogalva, empresa do Vigent Group, vai investir sete milhões de euros para aumentar a sua capacidade de produção em mais de 58%, até 2019.

O projeto possibilitará a criação de 100 novos postos de trabalho, a acrescentar aos 650 empregos já existentes nas unidades industriais da Metalogalva da Trofa e de Albergaria-a-Velha.

Este projeto de investimento designado ‘HPT – High Productivity and Technology’ irá passar pela introdução de novas linhas produtivas específicas, com uma forte componente tecnológica no seu grau de automação e integração das TIC (tecnologias de informação e comunicação) no controlo e monitorização do processo produtivo.

“O projeto é financiado no âmbito do acordo firmado entre Portugal e a Comissão Europeia, Portugal 2020, através do programa Compete 2020, na categoria de SI Inovação Empresarial Produtiva, no montante total de 9,5 milhões de euros, dos quais 4,9 milhões de euros, sob forma de incentivo reembolsável, são provenientes do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional”, explica um comunicado da Metalogalva.

Segundo esse documento, a empresa pretende desenvolver condições em termos de produtividade, investigação, tecnologia, estrutura, competências, práticas e afins, contribuindo diretamente para o aumento da competitividade da economia portuguesa.

Para o CEO do Vigent Group, Sérgio Silva, “este investimento é fundamental para o desenvolvimento das estruturas e da produção da Metalogalva – algo que, seguramente, nos ajudará a continuar a firmar o cumprimento de uma estratégia de horizontes alargados, dentro e fora do país.”

A Metalogalva anunciou que, até final de 2017, previa investir cerca de quatro milhões de euros e, até 2019, atingir os 100 milhões de euros de volume de negócios.

Em 2017, a empresa, que reclama ser líder nacional na sua atividade na área da engenharia e proteção de aço e um dos principais ‘players’ europeus na produção de colunas de iluminação pública e de outras estruturas aplicadas em áreas distintas, atingiu um volume de faturação de cerca de 84 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários