Ministério da Agricultura avalia prejuízos causados pelo furacão Leslie

As áreas mais afetadas pela tempestade de ontem à noite e da madrugada de hoje situam-se na região do litoral centro de Portugal.

O Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural está a proceder ao levantamento de prejuízos decorrentes da passagem da tempestade Leslie por território nacional.

“A informação recolhida permitiu já identificar as áreas mais afetadas, que se situam na região do litoral centro, onde os técnicos da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro estão já no terreno a recolher informação e a avaliar a situação. O Governo pretende, com esta operação, que será concluída no mais curto espaço de tempo possível, desencadear os mecanismos de apoio aos agricultores, caso se justifique”, explica um comunicado do ministério liderado por Luís Capoulas Santos.

Segundo esse docimento, “os serviços do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas estão já a proceder aos trabalhos de remoção de árvores derrubadas em áreas sob jurisdição pública, tendo em vista a desobstrução de vias e a retirada de destroços de árvores das infraestruturas atingidas”.

“Depois de concluídos os trabalhos de emergência, será feito o levantamento exaustivo do estado das Matas Nacionais atingidas pela tempestade”, assegura o referido comunicado.

 

Recomendadas

PremiumFFMS sinaliza lições da Grande Recessão para a saída da crise

Apesar das diferenças óbvias, existem semelhanças preocupantes entre as crises de 2008 a 2013 e a da Covid-19. Desde logo, o risco de aumento de empresas zombie preocupa Carlos Carreira, coordenador do estudo sobre a Grande Recessão.

Sonae IM investiu 200 milhões de euros em cinco anos em mais de 40 tecnológicas, revela presidente executivo

“Vimos que havia uma oportunidade interessante, uma área de crescimento forte” em empresas de tecnologia, onde se inclui “o benefício que traria aos negócios da Sonae na altura”, conta o presidente executivo, Eduardo Piedade.

PremiumDéfice revisto em alta enquanto dívida diminui ainda mais

Bruxelas espera défice superior face há três meses, mas dívida beneficiará do diferencial taxas de juro-crescimento.
Comentários