Ministério da Agricultura avalia prejuízos causados pelo furacão Leslie

As áreas mais afetadas pela tempestade de ontem à noite e da madrugada de hoje situam-se na região do litoral centro de Portugal.

O Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural está a proceder ao levantamento de prejuízos decorrentes da passagem da tempestade Leslie por território nacional.

“A informação recolhida permitiu já identificar as áreas mais afetadas, que se situam na região do litoral centro, onde os técnicos da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro estão já no terreno a recolher informação e a avaliar a situação. O Governo pretende, com esta operação, que será concluída no mais curto espaço de tempo possível, desencadear os mecanismos de apoio aos agricultores, caso se justifique”, explica um comunicado do ministério liderado por Luís Capoulas Santos.

Segundo esse docimento, “os serviços do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas estão já a proceder aos trabalhos de remoção de árvores derrubadas em áreas sob jurisdição pública, tendo em vista a desobstrução de vias e a retirada de destroços de árvores das infraestruturas atingidas”.

“Depois de concluídos os trabalhos de emergência, será feito o levantamento exaustivo do estado das Matas Nacionais atingidas pela tempestade”, assegura o referido comunicado.

 

Recomendadas

Reino Unido vai lançar novo pacote de estímulos à economia

“Estamos a tentar identificar projetos prontos para começar. Queremos avançar com isso”, afirmou um membro do governo britânico ao “Financial Times”.

Retoma da economia traz novos desafios ao país

Endividamento e tesouraria das empresas portuguesas encontram-se entre as principais fragilidades apontadas pelos analistas. Apesar da quebra provocada pela pandemia de Covid-19, o setor do turismo pode surpreender.

Respostas rápidas: Como vai funcionar o novo Instrumento de Apoio à Solvabilidade europeu

O novo instrumento temporário proposto pela Comissão Europeia é dirigido a empresas “economicamente viáveis”, mas que enfrentam problemas de solvabilidade provocados pela crise da Covid-19. Quer desbloquear 300 mil milhões de euros para empresas situadas na União Europeia e um dos critérios de acesso é que com base nas contas de 2019 não apresentassem já necessidades de auxílios.
Comentários