Ministério da Educação anuncia chegada às escolas dos primeiros 100 mil computadores no 1.º período

O projeto da escola digital, no qual se inscrevem estes equipamentos, compreende investimento na rede e hardware, capacitação digital de professores e desmaterialização de conteúdos.

O Ministério da Educação anunciou esta sexta-feira, 11 de setembro, que os primeiros cem mil computadores chegarão às escolas no primeiro período do ano letivo 2020/21. Os computadores terão tipologia diferenciada por ciclo de ensino e acesso à internet por banda larga móvel.

Em comunicado, o Ministério de Tiago Brandão Rodrigues adianta que “a prioridade de fornecimento dos primeiros equipamentos são os alunos abrangidos por apoios no âmbito da Ação Social Escolar”.

Os computadores são, por assim dizer, a espinha dorsal da escola digital, que o Governo quer construir e para a qual destinou um investimento de 400 milhões de euros, anunciados no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social.  Além de equipamentos, o projeto, que será implementado de forma faseada, “tendo como objetivo alcançar todos os alunos e docentes das escolas públicas”, compreende também conectividade, capacitação dos professores e recursos pedagógicos digitais.

No plano da formação, a tutela informa ter iniciado um conjunto de iniciativas, entre as quais um diagnóstico do nível de competência dos professores que permitirá direcionar o programa para a sua formação e capacitação; a criação de planos de transição digital para cada agrupamento de escolas; a criação da figura do “Embaixador Digital” nos Centros de Formação (CFAE), que visa dinamizar a implementação dos planos de transição digital locais; e um programa piloto de desmaterialização de manuais escolares.

 

Recomendadas

Mário Nogueira estranha nomeação de jurista para secretária de Estado da Educação

Inês Ramires substitui Susana Amador nesta mini-remodelação de secretários de Estado feita por António Costa. Com percurso na consultoria e assessoria em gabinetes ministeriais, foi anteriormente chefe de gabinete do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Governo “não adotou medidas suficientes” nas escolas, acusa CGTP

A maior central sindical do país, diz em comunicado que “não deixará de responsabilizar o Governo, na medida em que isso se justificar – pela forte possibilidade de ter de haver um recuo” no ensino presencial.

Notas dos exames secundário baixam na segunda fase. Economia A é exceção

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira, pelo Ministério da Educação, em quatro disciplinas a média foi negativa, com destaque para Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais, uma vez que em Português Língua Segunda e Latim, o número de alunos foi residual.
Comentários