Ministério Público de Espanha vai arquivar investigação sobre Juan Carlos I

A investigação que foi acelerada por em simultâneo estar a decorrer outra, mas na Suíça, concluiu que Juan Carlos não pode ser acusado pela inviolabilidade que a constituição espanhola reconhece ao chefe de estado.

O ministério Público de Espanha revelou que vai encerrar o processo de investigação contra Dom Juan Carlos depois de verificar que os possíveis crimes de lavagem de dinheiro ou promotores estão amparados pela inviolabilidade concedida pela Constituição ao Chefe de Estado, avançou o “El Confidencial” esta sexta-feira.

O promotor encarregado do assunto Juan Ignacio Campos, que coordena outros cinco elementos na investigação deste assunto, concluiu que “não é possível acusar Dom Juan Carlos de qualquer ato criminoso, embora existam indícios de que houve”.

Segundo a “Liberdad Digital”, que também entrou em contacto com o ministério Público espanhol, é apontado que a decisão de que o Rei Emérito não tinha cometido algum ficou concluída ” há muito tempo “. No entanto, “a investigação foi acelerada com mais diligência porque o assunto estava a ser investigado pelo Ministério Público suíço”.

O Supremo Ministério Público assumiu a investigação iniciada em junho pela Promotoria Anticorrupção e explicou que a investigação remetia para a Fase II da construção da linha férrea de alta velocidade que liga as cidades de Medina e Meca , na Arábia Saudita. A investigação esteve centrada em delimitar ou afastar a relevância criminal dos acontecimentos ocorridos depois de junho de 2014, altura em que o rei emérito já não estava protegido pela “inviolabilidade que o artigo 56.3 da Constituição espanhola reconhece ao chefe do Estado”.

O Ministério Público também destacou a figura do procurador encarregado pela investigação e enalteceu que o seu “conhecimento exaustivo do direito penal económico, acrescenta à sua vasta experiência como procurador-chefe de uma das seções penais do Ministério Público do Supremo Tribunal Federal”.

Depois de ter iniciado a investigação, Juan Carlos decidiu abandonar a Espanha a 3 de agosto e comunicou por carta seu filho Filipe VI a sua “decisão ponderada de sair da Espanha” . Desde então, o rei emérito tem estado a viver nos Emirados Árabes Unidos.

Ler mais
Relacionadas

PremiumJuan Carlos I: O rei sai nu

O exílio do rei emérito é a última oportunidade de preservação da monarquia espanhola – apesar de a possibilidade de secessão ser o verdadeiro problema do país. Juan Carlos ficará conhecido na história como o rei que atirou para o lixo a página dourada que sobre ele já tinha sido escrita e a substituiu por uma garatuja onde se acotovelam animais mortos, amantes e corrupção.

Antigo rei de Espanha Juan Carlos está nos Emirados Árabes Unidos

“Sua Majestade, o rei dom Juan Carlos indicou à Casa de Sua Majestade que se mudou a 03 de agosto para os Emirados Árabes Unidos, onde permanece desde então”, lê-se num curto comunicado, divulgado pela Zarzuela (Palácio Real).
Recomendadas

Covid-19: França registou 313 mortes num dia

O número de novos casos diários no país foi de 14.064 nas últimas 24 horas, uma subida face aos números dos dois dias anteriores, tendo sido já confirmados 2.244.635 casos de covid-19 em França desde o início da pandemia.

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.

Portugal compromete-se a gerir de forma sustentável toda a área oceânica até 2025

Segundo o Painel do Oceano, o oceano, que cobre 70% do planeta, dá alimentos diariamente a mais de três mil milhões de pessoas. Nele, faz-se o transporte de pelo menos 90% das mercadorias e contribui todos os anos com 1,5 biliões de dólares para a economia global.
Comentários