Monese e Mastercard fazem parceria europeia

O objetivo do acordo é oferecer serviços bancários locais para consumidores em toda a Europa, incluindo em Portugal. Os clientes das contas multi-currency da ‘fintech’ britânica passam a ter acesso à rede global de aceitação de cartões Mastercard.

A empresa norte-americana Mastercard e a fintech britânica Monese anunciaram esta quarta-feira que formalizaram uma parceria plurianual para oferecer serviços bancários locais e pagamentos eletrónicos aos consumidores de toda a Europa, incluindo em Portugal.

O acordo faz com que o banco digital se torne o principal emissor de cartões Mastercard e que os clientes das contas multi-currency tenham acesso à rede global de aceitação destes cartões, presente em milhões de pontos de venda mundiais.

Em comunicado, as empresas explicam que muitos dos clientes da Monese trabalham na economia gig (freelancer), são independentes ou moram num país europeu diferente daquele em que nasceram e, como tal, nem sempre encontram uma resposta na banca tradicional. Assim, este protocolo a dupla compromete-se a oferecer todas as funcionalidades disponíveis na indústria de cartões e recursos de pagamento inovadores.

Na opinião Norris Koppel, fundador e CEO da Monese, considera que “permite desenvolver uma estratégia de localização ambiciosa” que sido seguida há vários anos e que os deixa “posicionados para a próxima fase de crescimento da empresa, em particular nos mercados do Reino Unido e da Europa”.

Em julho, a Monese tornou-se o primeiro neobanco europeu a oferecer IBANs franceses aos clientes. A aposta nos IBANs locais torna mais fácil para os clientes desses países fazerem transações locais e receber os salários diretamente nas contas, pois os IBANs estrangeiros nem sempre são aceites pelos empregadores. “Estamos empenhados em oferecer mais experiências locais aos nossos clientes em vários mercados europeus, bem como em tornar mais fácil àqueles, que não encontram na banca tradicional o serviço de que precisam para administrarem o seu dinheiro”, garante o responsável da empresa.

Uma visão que é partilhada por Mark Barnett, presidente europeu da Mastercard, que lembra que a multinacional “tem o compromisso de trazer os consumidores para a economia digital financeira, incluindo aqueles que, por qualquer razão, estão encontram nos serviços tradicionais uma resposta às suas necessidades”.

Ler mais
Recomendadas

Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

CIO da Johnson & Johnson: “Ecossistema tecnológico ajudou a repensar a ciência”

As novas tecnologias aceleraram a maneira como se descobrem e produzem novos medicamentos. Combinar todos os dados disponiveis, aliá-los à ciência e colocá-los em prático são os desafios apontados ao setor farmcêutico durante os próximos anos.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.
Comentários