Montijo: Problemas são apresentados “sob forma de homilia”, acusa ex-presidente do LNEC

Para Carlos Matias Ramos, antigo responsável do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, a estratégia para os transportes constitui um “desafio, uma oportunidade e uma necessidade”, sendo determinante para as “regiões periféricas”.

O antigo presidente do LNEC Carlos Matias Ramos lamentou esta terça-feira que os problemas sobre o aeroporto do Montijo sejam apresentados “sob a forma de homilia”, notando que o Governo e a ANA não estão disponíveis para debater.

“Os problemas têm sido colocados sob a forma de homilia. Tanto a ANA como o Governo apresentam bonitos powerpoints sobre o Montijo, em situações que não permitem qualquer discussão”, afirmou Carlos Matias Ramos, na conferência digital sobre o novo aeroporto de Lisboa, organizada pela Ordem dos Engenheiros.

Para o antigo responsável do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), a estratégia para os transportes constitui um “desafio, uma oportunidade e uma necessidade”, sendo determinante para as “regiões periféricas”.

Contudo, esta estratégia implica um plano estratégico e não “planos e planinhos à medida que os problemas vão aparecendo”, acrescentou.

O também professor da Universidade Lusófona disse que a escolha do espaço para a infraestrutura tem sido baseada num “conjunto de falácias”.

Relativamente à base aérea número 6, Carlos Matias Ramos defendeu que “tinha de ser totalmente reformulada”, implicando elevados custos e um longo período de execução.

No que concerne ao Campo de Tiro de Alcochete, lembrou que o respetivo plano de financiamento, elaborado pelo BPI em 2009, não previa qualquer comparticipação do Estado, ficando o candidato à construção responsável pela despesa, recuperando o investimento através de um período alargado de operação.

Em termos de segurança e saúde pública, a solução Montijo vai afetar mais 35.000 pessoas e agravar a situação em Lisboa, enquanto o Campo de Tiro de Alcochete iria introduzir ruído para apenas mais 400 habitantes, notou.

A conferência ficou marcada por vários problemas técnicos, que impediram a normal transmissão das intervenções, e, após várias tentativas, não voltou, até ao momento, a ser retomada.

Em 08 de janeiro de 2019, a ANA — Aeroportos de Portugal e o Estado assinaram o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, com um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 para aumentar o atual aeroporto de Lisboa e transformar a base aérea do Montijo num novo aeroporto.

Recomendadas

Super Bock Group investe 30 milhões em Pedras Salgadas

A modernização do Centro de Produção de Pedras Salgadas e a expansão do Pedras Salgadas Spa & Nature Park, são os dois principais itens do novo investimento, que vai criar 30 novos postos de trabalho.

Greenvolt com resultados do semestre em queda de 82% para cerca de um milhão

O resultado líquido do exercício da empresa de energias renováveis foi de cerca de um milhão de euros, o que traduz uma queda de mais de 80% e reflecte a evolução do EBITDA.

Promotores de espetáculos apelam ao Governo: “verão já está perdido”

O apelo, com quatro medidas de caráter urgente, foi feito numa carta enviada a António Costa e divulgada aos jornalistas, nas vésperas de uma nova reunião do Conselho de Ministros e um dia depois de o Governo ter reunido com peritos, no Infarmed, em Lisboa, para analisar a situação epidemiológica da covid-19, em Portugal.
Comentários