Moody’s estima que dívida pública de Angola suba para 110% este ano

A agência de notação financeira Moody’s estima que Angola vá terminar este ano com uma dívida pública a valer 110% do Produto Interno Bruto (PIB), canalizando 28% das receitas fiscais apenas para pagar a dívida.

De acordo com o relatório que analisa a evolução das economias da África subsaariana, enviado aos investidores e a que a Lusa teve acesso, a Moody’s considera que Angola terá uma dívida pública equivalente a 110% do PIB este ano e que a parte das receitas fiscais usadas para servir a dívida vai aumentar da média de 18% entre 2015 e 2019 para 28% este ano.

No relatório, os analistas alertam que “a depreciação das moedas vai encarecer os custos de suportar a dívida e criar problemas à sustentabilidade da dívida” de vários países nesta região, onde a dívida em moeda estrangeira vale mais de 60% do total.

“Moçambique, Ruanda, Senegal, República do Congo e Angola são particularmente suscetíveis ao aumento do peso da dívida via depreciações da moeda, com a dívida em moeda estrangeira a valer mais de 70% do volume total”, lê-se no relatório, a que a Lusa teve acesso, e que coloca a dívida pública de Moçambique nos 115%, este ano.

Em Angola, a Moody’s prevê que o kwanza desvalorize mais 10%, num contexto de “condições de financiamento governamental desafiantes, o que torna mais caro cumprir as obrigações financeiras em moeda estrangeira”.

Sobre a recuperação económica prevista pelo Governo e por várias instituições internacionais, a Moody’s antecipa um crescimento de 2,5% este ano em Angola, um país que, em conjunto com a Nigéria, “será dos mais afetados entre os produtores de matérias primas”.

Os efeitos da pandemia de covid-19 na região, alertam os analistas, serão “profundos e duradouros”, não só pelo impacto imediato em termos de quebra na atividade económica, mas também porque os principais clientes dos países exportadores de matérias primas, como é o caso de Angola com o petróleo, estão a comprar menos.

A isto, acrescentam, juntam-se a subida dos juros e as dificuldades financeiras dos países: “Os persistentes défices orçamentais num contexto de reduzido crescimento económico vão manter o peso da dívida elevado para os países da África subsaariana até médio prazo”, diz a Moody’s, que antevê que a dívida média da região suba para 64% do PIB a curto e médio prazo, o que compara com os 47% de média entre 2015 e 2019.

Ler mais

Recomendadas

Lucro líquido da Berkshire Hathaway de Warren Buffett caiu 48% em 2020

“No ano passado, demonstramos o nosso entusiasmo pelos ativos da Berkshire ao recomprar o equivalente a 80.998 ações “A”, gastando 24,7 mil milhões de dólares no processo. Essa medida aumentou a vossa posição em todos os negócios da Berkshire em 5,2% sem exigir que tocassem na carteira”, escreveu o ‘oráculo de Omaha’, na carta anual enviada aos acionistas.

PremiumLagarde e Powell permitem inflação pontual

As autoridades monetárias pretendem continuar com a sua política acomodatícia apesar de “pontuais” subidas da inflação pós-pandemia.

Nasdaq foi o único a ‘verde’ no fecho da sessão em Wall Street

Amazon, Apple, Microsoft e Alphabet fecharam com ganhos. Já as ações da Beyond Meat – a marca que revolucionou a indústria ao criar alimentos vegan com sabor a carne – subiram 1,30% para 145,62 dólares, depois de ter anunciado um acordo com a McDonald’s e a Yum!Brands.
Comentários