Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.

Morreu o empresário Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos. O congolês de 48 anos estava no Dubai, onde terá sofrido um acidente no mar. Fontes próximas da empresária confirmaram ao Jornal Económico o desaparecimento do marido da mulher mais rica de África e genro de José Eduardo dos Santos.

Segundo vários meios de comunicação africanos, Sindika Dokolo terá sofrido uma embolia pulmonar enquanto fazia mergulho subaquático.

Sindika Dokolo estava casado com Isabel dos Santos desde 2002, com quem tinha quatro filhos. Era filho de um banqueiro congolês e chegou a ser considerado o maior colecionador de arte contemporânea africana. Em Portugal, foi administrador não-executivo da Amorim Energia e de outras empresas onde era acionista, em conjunto com Isabel dos Santos.

Juntamente com Isabel dos Santos, Sindika Dokolo foi visado na investigação Luanda Leaks. Este escândalo revelou várias irregularidades em empresas detidas pelo casal, levando mesmo ao arresto dos seus bens pela Justiça angolana em dezembro do ano passado.

A fuga de informação terá tido o envolvimento do pirata informático Rui Pinto e implicava Sindika no alegado desvio de fundos públicos angolanos, maioritariamente através da Sonangol. A empresa foi administrada entre junho de 2016 e novembro de 2017 pela mulher e filha do então presidente de Angola

Relacionadas

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Sindika Dokolo: Da pena de prisão à acusação de ‘complot’. Polémicas do empresário e colecionador de arte congolês

Sindika Dokolo, empresário e colecionador de arte congolês, morreu no Dubai, quando praticava mergulho, esta quinta-feira. Para trás ficam alguns episódios polémicos, quase todos relacionados com Isabel dos Santos.

Isabel do Santos e marido foram alvo de relatórios sobre atividades suspeitas em 2013 nos EUA

“O relatório enviado à FinCEN mostra como o JP Morgan tinha estado envolvido indiretamente, como banco correspondente, em transferências relacionadas com a família e com o Estado angolano” e “houve uma transferência, em particular, que chamou a atenção do compliance da instituição: Sindika Dokolo, o marido de Isabel dos Santos, tinha enviado a 2 de março de 2012 quatro milhões de dólares para uma conta de uma empresa holandesa, a Melbourne Investments BV, que passaram por uma conta correspondente do JP Morgan”.

Ação do Estado angolano contra Isabel dos Santos deu entrada no Tribunal de Luanda

A ação dá seguimento ao arresto preventivo de contas bancárias e participações sociais da empresária Isabel dos Santos, do seu marido Sindika Dokolo e do gestor Mário Leite da Silva, decretado pelo Tribunal Provincial de Luanda, em dezembro, indicou à Lusa uma fonte da Procuradoria-Geral da República (PGR).
Recomendadas

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Isabel dos Santos quis receber salários em dinheiro depois de arresto de contas da Unitel

De acordo com a notícia avançada pelo “Público”, a empresária chegou a avançar um prazo para que o pagamento fosse efetuado “conforme instruções enviadas à sociedade”, ou recorreria à justiça, mas a ameaça foi ignorada,

Eurodeputados pedem inquérito da Autoridade Bancária Europeia ao ‘Luanda Leaks’

Os parlamentares instam também as autoridades nacionais a iniciarem as investigações sobre as revelações do caso ‘Luanda Leaks’ e a intentarem ações contra as partes interessadas que violem as normas em matéria de luta contra o branqueamento de capitais.
Comentários