Não há acordo na educação mas professores têm aumento de 19%

“Com esta negociação, e face à ausência de elementos novos, o Governo considera concluído o processo negocial relativo à recomposição da carreira dos educadores e dos professores dos ensinos básico e secundário”, refere o gabinete de Mário Centeno.

O Governo e os professores não chegaram a acordo em relação à progressão das carreiras dos docentes, após as reuniões com as estruturas sindicais que se realizaram esta terça-feira, 18 de dezembro. Em comunicado, o Ministério das Finanças informou que o processo negocial, mas assegurou uma valorização remuneratória de 19% para estes funcionários públicos.

O Executivo adianta que não deixará de reconhecer a recuperação de tempo de serviço docente e, por esse motivo, avança com a solução apresentada em decreto-lei (sujeito a aprovação em Conselho de Ministros) para que todos os professores recuperem dois anos, nove meses e 18 dias, “assegurando o equivalente a 70% de uma progressão”.

“Com esta proposta, assegura-se que entre 2019 e 2023 a carreira docente será uma das que terá maior valorização remuneratória em toda a administração pública, com um aumento médio acumulado de 19% e um custo total, nesse período, de cerca de 750 milhões de euros”, refere o gabinete de Mário Centeno, na mesma nota.

Segundo o Ministério das Finanças, os sindicatos dos professores mantiveram uma “posição de intransigência” e “não apresentaram qualquer proposta que permitisse aproximar as posições entre as partes”. “Pelo contrário, mantiveram-se inflexíveis na recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias, apesar de essa solução ter sido expressamente rejeitada na votação na especialidade do Orçamento do Estado de 2019”, critica o Executivo.

Relacionadas

FENPROF admite avançar uma ação contra o Estado. Todos os detalhes aqui

O maior sindicato de professores do país aprovou este sábado, em reunião de conselho nacional, em Lisboa, um caderno de reivindicações prioritárias acompanhado de um conjunto de ações de luta que prevê greves, manifestações e recurso à justiça.

PremiumPortugal tem de garantir uma nova geração de professores

A principal ameaça é o desequilíbrio entre as diferentes faixas etárias.
Recomendadas

Parecer sobre incompatibilidades foi publicado na página do Ministério Público

Após notícias na comunicação social sobre negócios entre governantes e empresas de familiares, António Costa decidiu hoje homologar o parecer do Conselho Consultivo da PGR sobre incompatibilidades e impedimentos de políticos

CMEC: EDP recusa todas as acusações de favorecimento

A elétrica nacional refuta todos os pontos de eventual favorecimento de que é acusada e diz que tudo decorreu com uma transparência que a própria União Europeia confirmou.

“Vandalização”: Presidente do Instituto Superior Técnico critica mural do Bloco de Esquerda

Arlindo Oliveira criticou o mural realizado pelo partido de Catarina Martins nos muros do campus da Alameda em Lisboa. “Será que a vandalização de património público consta no programa do Bloco de Esquerda?”
Comentários