Nem ecommerce nem centros comerciais: ‘millennials’ portugueses preferem o comércio local

A população europeia entre os 18 e os 35 anos continua a considerar as lojas físicas bastante atrativas. Os ‘millennials’ portugueses não fogem à regra: 77% dos adultos assumem-no.

Depois do advento dos centros comerciais e num momento em que se fala cada vez mais de ecommerce, um concorrente tradicional parece estar a ganhar nova vida entre os jovens adultos entre os 18 e os 35: é que, em média, 68% dos ‘millennials’ europeus têm uma opinião favorável sobre as grandes lojas situadas no centro das cidades.

Neste contexto, os portugueses são mesmo os que mais referem este tipo de comércio como favorito, com 77 pontos percentuais, seguido dos inquiridos na Roménia, com 76%. Os austríacos são aqueles que menos entusiasmo demonstraram nestas lojas, com apenas 55% do total de inquiridos a registarem uma opinião positiva.

O mercado globalizado em que vivemos faz com que tenhamos um acesso sem precedentes às mesmas lojas e aos mesmos produtos praticamente em toda a parte do mundo. Talvez por esta razão, há quem prefira fugir da massificação e procurar produtos diferenciados junto do comércio de proximidade.

70% dos ‘millennials’ europeus afirmam gostar de fazer compras neste tipo de lojas, com destaque para os povos escandinavos (81% dos suecos e 78% dos dinamarqueses). Refira-se que os portugueses não estão muito longe destes valores e encontram-se mesmo entre aqueles que com maior interesse no comércio de proximidade (75%).

Os resultados do Observador Cetelem Consumo Millennials 2018 indicam que, em média, 78% dos inquiridos desta geração sente prazer ao visitar grandes superfícies do ramo alimentar. Romenos, com 89%, são aqueles que mais gostam destes espaços, enquanto os dinamarqueses se encontram no polo oposto, com 67%.

Os ‘millennials’ portugueses estão 3 pontos percentuais acima da média, com 81%. Quanto a grandes espaços comerciais que combinem lojas com atividades de lazer, 74% dos Millennials assumem gostar de frequentá-los, valor 9 pontos percentuais mais elevado do que a média do estudo (65%). Entre os Millennials portugueses, 84% afirmam preferir este tipo de espaço comercial, apenas ultrapassados por romenos, com 87%.

Os outros tipos de comércio recebem opiniões quase igualmente favoráveis. É o caso das grandes superfícies especializadas que 69% dos ‘millennials’ afirmam frequentar. Uma das principais razões é o facto de as pessoas com idades entre os 18 e os 35 anos estarem no início da sua vida ativa e familiar, o que implica mobilar, fazer bricolagem e decoração de interiores. Neste caso, os inquiridos portugueses (61%) encontram-se um pouco abaixo da média europeia, que ronda os 70%.

Ler mais

Relacionadas

‘Millennials’ portugueses procuram estabilidade

Com o desemprego a pressionar a Europa, os jovens portugueses são, ainda assim, dos mais abertos à mudança de residência por razões profissionais.

Maioria dos ‘millennials’ gosta de fazer compras em lojas físicas

As conclusões do Observador Cetelem Consumo 2018 mostram que os jovens adultos acreditam que o atendimento virtual ao a-commerce será uma realidade na próxima década.
Recomendadas

Covid-19: UE, Eurogrupo e BCE pedem respostas “engenhosas e construtivas” à crise

Os presidentes do Conselho Europeu, Eurogrupo, Comissão Europeia e Banco Central Europeu pediram hoje aos ministros das Finanças da zona euro para serem “engenhosos e construtivos” nas respostas à crise da covid-19, recordando os “instrumentos e instituições existentes”.

Jornal Económico adopta semana de trabalho de quatro dias para enfrentar crise causada pela pandemia

Decisão permite assegurar manutenção de todos os postos de trabalho e garantir a qualidade editorial do jornal enquanto durar a crise da Covid-19, que já terá levado a uma queda de cerca de 50% nas receitas publicitárias da imprensa.

Queijaria Vale da Estrela inicia vendas ‘online’

Com esta decisão, a queijaria detida por Jorge Coelho torna possível a encomenda com entrega diretamente em casa, abrangendo inicialmente apenas a região da Grande Lisboa e Porto, num período em que se vivem restrições de mobilidade em todo o País.
Comentários