Novo mínimo: Portugal emite dívida a curto prazo às taxas mais negativas

Portugal pagou -0,44% para emitir mil milhões de euros em dívida a 12 meses, que compara com os -0,431%, no último leilão comparável em julho.

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública emitiu esta quarta-feira 1.250 milhões de euros, num leilão duplo em dívida a seis e 12 meses, com as taxas mais negativas face ao leilão de julho.

Portugal pagou -0,44% para emitir mil milhões de euros em dívida a 12 meses, que compara com os -0,431%, no último leilão comparável em julho. A procura superou a oferta em duas vezes.

A instituição liderada por Cristina Casalinho emitiu ainda 250 milhões de euros em dívida a seis meses, com uma taxa de alocação de -0,463%, que compara com os -0,454%, do leilão de julho. A procura superou a oferta em 4,7 vezes.

O Tesouro tinha estabelecido um montante indicativo de 1.250 milhões a 1.500 milhões de euros.

No último leilão de dívida curto prazo, o IGCP tinha registado mínimos históricos nas taxas de juro. O Tesouro, na maturidade a 11 meses, emitiu 750 milhões de euros, tendo pago uma taxa média ponderada de -0,557%. Nos Bilhetes do Tesouro a três meses, o montante colocado foi de 250 milhões, com uma yield de -0,563%, face a -0,425% na emissão em junho.

Desde o início do ano que os custos de financiamento de Portugal têm vindo a diminuir, beneficiando do aumento da confiança dos investidores devido à estabilidade económica e upgrades da agência de rating. Na sexta-feira passada, a Standard & Poor’s (S&P) manteve a notação da dívida soberana portuguesa em ‘BBB’, mas subiu a perspetiva de ‘estável’ para ‘positiva’, destacando a melhoria da composição, maturidade e custos associados à dívida, assim como a capacidade de Portugal cumprir com as suas obrigações.

[Atualizada]

Ler mais
Recomendadas

Costa pede ao Reino Unido que se defina “de uma vez por todas”

Esta posição foi transmitida por António Costa aos jornalistas, no Palácio de Belém, após ser confrontado com as mais recentes divergências registadas no parlamento de Londres em torno da aprovação do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia – acordo anunciado na quinta-feira em Bruxelas.

Número de casais desempregados inscritos cai 20% em setembro para 5.352

O número de casais em que ambos os cônjuges estão desempregados caiu 20,3% em setembro em comparação com igual mês do ano passado e 2,6% face a agosto, para 5.352, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo IEFP.

Centeno mantém núcleo de confiança nas Finanças

Ministério das Finanças mantém secretários de Estado, à excepção de Maria de Fátima Fonseca que transita para a Modernização do Estado e da Administração Pública. Mourinho Félix mantém-se ‘número dois’.
Comentários