Novo mínimo: Portugal emite dívida a curto prazo às taxas mais negativas

Portugal pagou -0,44% para emitir mil milhões de euros em dívida a 12 meses, que compara com os -0,431%, no último leilão comparável em julho.

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública emitiu esta quarta-feira 1.250 milhões de euros, num leilão duplo em dívida a seis e 12 meses, com as taxas mais negativas face ao leilão de julho.

Portugal pagou -0,44% para emitir mil milhões de euros em dívida a 12 meses, que compara com os -0,431%, no último leilão comparável em julho. A procura superou a oferta em duas vezes.

A instituição liderada por Cristina Casalinho emitiu ainda 250 milhões de euros em dívida a seis meses, com uma taxa de alocação de -0,463%, que compara com os -0,454%, do leilão de julho. A procura superou a oferta em 4,7 vezes.

O Tesouro tinha estabelecido um montante indicativo de 1.250 milhões a 1.500 milhões de euros.

No último leilão de dívida curto prazo, o IGCP tinha registado mínimos históricos nas taxas de juro. O Tesouro, na maturidade a 11 meses, emitiu 750 milhões de euros, tendo pago uma taxa média ponderada de -0,557%. Nos Bilhetes do Tesouro a três meses, o montante colocado foi de 250 milhões, com uma yield de -0,563%, face a -0,425% na emissão em junho.

Desde o início do ano que os custos de financiamento de Portugal têm vindo a diminuir, beneficiando do aumento da confiança dos investidores devido à estabilidade económica e upgrades da agência de rating. Na sexta-feira passada, a Standard & Poor’s (S&P) manteve a notação da dívida soberana portuguesa em ‘BBB’, mas subiu a perspetiva de ‘estável’ para ‘positiva’, destacando a melhoria da composição, maturidade e custos associados à dívida, assim como a capacidade de Portugal cumprir com as suas obrigações.

[Atualizada]

Ler mais

Recomendadas

Bilionários acumulam mais riqueza que 60% da população mundial

A organização não-governamental Oxfam aponta que se os 1% mais ricos do mundo pagassem “apenas” mais 0,5% de impostos sobre o seu património ao longo dos próximos 10 anos este valor seria o necessário para criar 117 milhões de empregos em setores como a educação e a saúde em todo o mundo.

Correia de Campos: “Não houve gestão estratégica para a administração pública em 20 anos”

.Numa altura em que está marcada uma greve nacional da função pública para dia 31 contra a proposta de aumentos salariais do Governo, de 0,3%, o presidente do CES defende que “as preocupações salariais são essenciais”, mas lamenta que elas tenham “dominado em excesso as preocupações da gestão da AP”.

Eurogrupo reúne esta segunda-feira com Orçamento português na agenda

O aprofundamento da União Económica e Monetária, a missão intercalar do FMI e a proposta de política económica para os países da moeda única este ano estão entre os outros pontos de agenda do encontro dos ministros das Finanças da zona euro.
Comentários