Centenas de milhares de milhões de dólares é quanto os EUA vão pagar face às alterações climáticas

“Com o crescimento contínuo das emissões a taxas histórias, as perdas anuais em alguns setores económicos podem chegar às centenas de mil milhões de dólares até o final do século – mais que o atual produto interno bruto (PIB) de alguns estados norte-americanos”, diz o relatório.

AFP Photo/Brendan Smialowski

As mudanças climáticas custarão à economia dos Estados Unidos centenas de milhares de milhões de dólares até o final do século, prejudicando vários setores desde a saúde humana até infraestrutura e produção agrícola, segundo um relatório do governo norte-americano, divulgado pela ”Bloomberg”.

O relatório, titulado de ”Quarta Avaliação Nacional Climática Volume II” (”Fourth National Climate Assessment Volume, em inglês) conduzido pelo Congresso e redigido com a ajuda da NASA e treze de agências governamentais e departamentos dos EUA, apontou um conjunto de estimativas dos impactos do aquecimento global em todos os setores da sociedade norte-americana, e concluiu com um aviso alarmante sobre a agenda pró-combustíveis fósseis do governo Trump.

“Com o crescimento contínuo das emissões a taxas histórias, as perdas anuais em alguns setores económicos podem chegar às centenas de milhares de milhões de dólares até o final do século – mais que o atual produto interno bruto (PIB) de alguns estados norte-americanos”, diz o relatório. “A ideia de que as condições climáticas atuais e futuras serão semelhantes às do passado mais recente já não são válida”, escrevem os autores.

Segundo o documento, estas alterações vão afetar desproporcionalmente os pobres, danificar a infraestrutura existente, limitar a disponibilidade de água, alterar limites costeiros, aumentar os custos industriais tanto no campo quanto na produção de energia e afetar (ainda mais) a saúde humana

Atualmente, os impactos severos nas temperaturas médias têm vindo a aumentar os riscos de transmissão de doenças, a piorar a qualidade do ar, a aumentar a ocorrência de problemas de saúde mental, entre outros efeitos.

Embora o relatório diga que muitos dos impactos das alterações climáticas – incluindo os incêndios e as tempestades mais frequentes, as secas e inundações – que já estão acontecer tenham consequências graves, explica também que as projeções dos danos maiores podem mudar de rota. Contudo, isto apenas acontecerá se as emissões de gases do efeito estufa forem ‘drasticamente’ contidas: “Os riscos futuros das mudanças climáticas dependem principalmente das decisões que são tomadas hoje”, explica.

O segundo volume deste relatório, complementa um estudo publicado no ano passado que concluía que os seres humanos são os principais causadores do aquecimento global, e que alertava sobre seus efeitos potencialmente catastróficos ao planeta.

Os estudos confrontam as políticas do governo do atual presidente, Donald Trump, que tem reduzido proteções ambientais e climáticas implementadas durante o governo Obama para maximizar a produção doméstica de combustíveis fósseis, incluindo petróleo.

“A administração Trump não pode esconder as consequências das alterações climáticas ao fazer um despejo de notícias da ”Black Friday” – consequências estas que os seus próprios cientistas do governo federal descobriram”, disse o senador Sheldon Whitehouse, democrata de Rhode Island, em um comunicado. “Este relatório mostra como as alterações climáticas afetarão as nossas comunidades. O presidente afirmou coisas escandalosas sobre como o aquecimento global é uma farsa  orquestrada pelos chineses e que as florestas evitarão incêndios catastróficos, mas sérias consequências, como o colapso dos preços dos imóveis costeiros e ”trilhões” de dólares em ativos de combustíveis fósseis, nos aguardam se não agirmos”, concluiu perplexo.

No ano passado, Trump não negou as suas intenções de retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris de 2015, estabelecido entre 200 países para combater as alterações climáticas. A razão para esta saída foi argumentada no sentido em que o tratado afetaria a economia dos Estados Unidos e forneceria efeitos ambientais pouco tangíveis. Trump e vários da administração frequentemente colocam em dúvida o aspecto científico das alterações climáticas, argumentando que suas causas e impactos não são ainda comprovados.

“Este relatório deixa claro que as alterações climáticas não são um problema do futuro distante. Estão a acontecer agora em todas as partes do país”, disse Brenda Ekwurzel, diretora de Ciências Climáticas da União dos Cientistas Interessados e uma das autoras do relatório.

Ler mais

Relacionadas

Terra com concentrações de dióxido de carbono semelhantes a valores de há três milhões de anos

As concentrações de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso aumentaram para “novos recordes”, sendo o primeiro aquele que mais contribui para o efeito de estufa, tendo atingido, em 2017, 405,5 partículas por milhão na atmosfera.

China, Rússia e Canadá poderão impulsionar catástrofe ambiental, revela novo estudo

O estudo que avalia a ambição de cada nação em reduzir as emissões de gases revela que as políticas ambientais da China, Rússia e Canadá poderão levar o Mundo a uma catástrofe ambiental. Estes países revelam temperaturas acima do 5ºC.

Onda de frio nos Estados Unidos leva Trump a questionar alterações climáticas

“Um frio brutal e prolongado, capaz de quebrar todos os recordes, o que aconteceu ao aquecimento global?”, questionou Trump. De acordo com as últimas previsões meteorológicas, o dia de Ação de Graças, assinalado hoje nos EUA, será o mais frio desde que há registos.
Recomendadas

“Já se demitiram?”. Ana Gomes reage aos ‘Luanda Leaks’ e pede afastamento de Carlos Costa

Ex-eurodeputada já reagiu à revelação dos ‘Luanda Leaks’ e pergunta se Carlos Costa e Fernando Teixeira dos Santos já se demitiram.

Site da APAF pirateado numa manifestação de apoio a Rui Pinto

O site da APAF, que entretanto já voltou à normalidade, surgia com uma configuração completamente diferente da habitual, já que era apresentada com uma foto de destaque de Rui Pinto.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.
Comentários