Nuno Artur Silva garante vender participação na Produção Fictícias antes de tomar posse como secretário de Estado

Nuno Artur Silva entra no Executivo e fica a tutelar a RTP, a empresa pública de onde foi afastado da administração pelo Conselho Geral Independente há pouco mais de um ano por alegado conflito de interesses. Enquanto administrador da RTP, Nuno Artur Silva detinha parte da Produção Fictícias, fornecedora de conteúdos da televisão pública.

O fundador da Produções Fictícias (PF) Nuno Artur Silva terá assegurada a venda da sua participação na empresa produtora de conteúdos, fundada em 1993, avança o “Público”, na tarde desta segunda-feira, 21 de outubro. O empresário do setor de media, que foi administrador da RTP entre 2015 e 2018, foi nomeado titular da recém-criada secretaria de Estado do Cinema, Audiovisual e Media.

“No momento em que tomar posse como secretário de Estado, já não serei acionista das Produções Fictícias e consequentemente do Canal Q”, disse Nuno Artur Silva aquele matutino. Recorde-se que a sua participação na PF originou polémica enquanto foi administrador da RTP.

Nuno Artur Silva entra no Executivo e fica a tutelar a RTP, a empresa pública de onde foi afastado da administração pelo Conselho Geral Independente (CGI) há mais pouco mais de um ano por alegado conflito de interesses.

O conhecido empresário do sector de media, argumentista, produtor e escritor foi afastado da RTP em janeiro de 2018, com a CGI, órgão que supervisiona a administração da estação pública, a sustentar que a sua continuidade era “incompatível com a irresolução do conflito de interesses entre a sua posição na empresa e os seus interesses patrimoniais privados”.

A presença do fundador e um dos proprietários da Produções Fictícias na administração da RTP nunca foi consensual. Logo no início do seu mandato, em fevereiro de 2015, a sua entrada no canal público gerou polémica, uma vez que a PF era há muito anos fornecedora de conteúdos da televisão pública.

Coincidentemente, após ter sido noticiada a entrada de Nuno Artur Silva no Governo, o presidente do CGI, António Feijó, considerou tal uma “excelente notícia”.

Sobre a decisão de afastar Nuno Artur Silva, Feijó, citado pelo “Público”,  considerou que actualmente não existe uma situação de conflito de interesses. “O secretário de Estado não vai ter uma interferência na gestão directa da empresa. Não vejo qualquer conflito de interesses na nomeação de Nuno Artur Silva como secretário de Estado da Cultura”, opinou.

Nuno Artur Silva: Ex-administrador da RTP e fundador da Produções Fictícias vai para secretário de Estado

Ler mais
Relacionadas

De João Galamba a Nuno Artur Silva: conheça os Secretários de Estado

Há 20 novos secretários de Estado no novo elenco governativo e 18 dos 50 secretários de Estado são mulheres. Conheça a equipa que completa o Governo liderado por António Costa.

Nuno Artur Silva: Ex-administrador da RTP e fundador da Produções Fictícias vai para secretário de Estado

Nuno Artur Silva assume funções governamentais, pouco mais de um ano depois de ter deixado a administração da RTP por alegado conflito de interesses. A sua nomeação é uma das maiores surpresas na equipa do novo Governo.

Saiba quem são os novos secretários de Estado

Jorge Seguro Sanches regressa ao Governo um ano depois de ser remodelado. Nuno Artur Silva entra no Executivo e fica a tutelar a RTP, a empresa pública de onde foi afastado da administração pelo Conselho Geral Independente.
Recomendadas

PremiumAjustes na legislação laboral para teletrabalho

A crise de saúde pública trouxe a necessidade de novas formas e organização de trabalho, em que a imposição do teletrabalho foi a mais notória.

Seis startups e IPSS vencem prémios “Mais Ajuda”

Pixelability – Happies, Speak e The Inventors foram as empresas escolhidas. Quanto às instituições de solidariedade social, conquistaram o júri os projetos da Acreditar, Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas e Associação de Socorros Mútuos Mutualista Covilhanense.

Maioria das empresas portuguesas está sem modelos de ERM

Falar em “enterprise risk management” ainda é um problema para muitos gestores em Portugal. Antecipar cenários é uma ajuda ímpar porque identificam riscos e preveem impactos.
Comentários