PremiumNuno Carvalho: “Muitas empresas não vão sobreviver se os apoios não chegarem a tempo”

O ecossistema empresarial de Setúbal é um bom barómetro para aferir a situação das exportadoras nacionais, que, segundo o deputado Nuno Carvalho, estão longe de antever uma retoma garantida das exportações em 2021 devido às incertezas existentes.

Nuno Carvalho, deputado do PSD, coordenador da Comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades Portuguesas, eleito pelo círculo de Setúbal, em entrevista ao programa “Primeira Pessoa” da JE TV, alerta para a incerteza na evolução das exportações em 2021.

Há condições para retomar no próximo ano o ritmo das exportações registado até 2019 entre os maiores grupos empresariais, ou prevê um arrefecimento resultante da situação pandémica?
O tipo de crise que temos em cima da economia portuguesa neste momento tem um registo bastante diferente das anteriores, porque é global. Já várias empresas [do distrito de Setúbal] falaram da perspetiva de quebra, como o caso da Petrogal, que sofre com a grande quebra de consumo no mercado energético. Outras, como a Autoeuropa, que assume o papel da principal exportadora, terão um desafio de transição no sector. A Navigator, por exemplo, conseguiu adaptar-se um pouco à transição e às mudanças que o sector sofreu. O sector automóvel terá desafios a percorrer no que diz respeito à forma como as pessoas irão encarar a mobilidade. Mas o turismo e a aviação é que são os sectores mais afetados do ponto de vista transversal – em todos os países são os dois sectores onde as quebras são absolutamente avassaladoras. Isso significa que Portugal também tem de olhar para estes sectores e ter uma definição estratégica para conseguir acelerar esta transição.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

TAP propõe acordo com tripulantes para vigorar até final de 2024

O acordo, segundo o qual “as medidas acordadas referentes a retribuições e outras prestações pecuniárias, retributivas ou não, produzem efeitos a 1 de janeiro de 2021”, estabelece a suspensão “das tabelas salariais e remuneratórias em vigor à data da entrada em vigor deste acordo, incluindo as constantes de normativo específico de cada função e/ou de acordos individuais”.

Turismo do Centro apresenta novas iniciativas para as Rotas das Invasões Francesas

O destaque vai para a apresentação das rotas turísticas relativas à Terceira Invasão Francesa, que teve início em julho de 1810 e terminou em abril de 1811. No território nacional, a invasão iniciou-se em Almeida e continuou para o Bussaco, onde teve lugar uma importante batalha, tendo terminado nas Linhas de Torres Vedras, de onde os franceses retiraram em perda.

Pilotos do porto de Aveiro resgatam navio da ETE

Depois de ativados os procedimentos de segurança, os serviços técnicos de pilotagem do porto de Aveiro em colaboração com os rebocadores e em articulação com a Capitania, “a operação do salvamento do navio e tripulação foi realizada com sucesso, encontrando-se o navio atracado em segurança”.
Comentários