PremiumNuno Carvalho: “Muitas empresas não vão sobreviver se os apoios não chegarem a tempo”

O ecossistema empresarial de Setúbal é um bom barómetro para aferir a situação das exportadoras nacionais, que, segundo o deputado Nuno Carvalho, estão longe de antever uma retoma garantida das exportações em 2021 devido às incertezas existentes.

Nuno Carvalho, deputado do PSD, coordenador da Comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades Portuguesas, eleito pelo círculo de Setúbal, em entrevista ao programa “Primeira Pessoa” da JE TV, alerta para a incerteza na evolução das exportações em 2021.

Há condições para retomar no próximo ano o ritmo das exportações registado até 2019 entre os maiores grupos empresariais, ou prevê um arrefecimento resultante da situação pandémica?
O tipo de crise que temos em cima da economia portuguesa neste momento tem um registo bastante diferente das anteriores, porque é global. Já várias empresas [do distrito de Setúbal] falaram da perspetiva de quebra, como o caso da Petrogal, que sofre com a grande quebra de consumo no mercado energético. Outras, como a Autoeuropa, que assume o papel da principal exportadora, terão um desafio de transição no sector. A Navigator, por exemplo, conseguiu adaptar-se um pouco à transição e às mudanças que o sector sofreu. O sector automóvel terá desafios a percorrer no que diz respeito à forma como as pessoas irão encarar a mobilidade. Mas o turismo e a aviação é que são os sectores mais afetados do ponto de vista transversal – em todos os países são os dois sectores onde as quebras são absolutamente avassaladoras. Isso significa que Portugal também tem de olhar para estes sectores e ter uma definição estratégica para conseguir acelerar esta transição.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CEO da Páginas Amarelas: “Porta da loja não deve ser para a rua mas para o mundo. Investimento no digital é essencial”

António Alegre, CEO da “Páginas Amarelas”, referiu em entrevista à “Fast Talk” da plataforma multimédia JE TV que a pandemia veio mudar a perceção da necessidade de maiores investimentos no digital por parte das empresas.

Caixa Geral de Depósitos aumenta lucros para 294 milhões de euros

No primeiro semestre, o resultado líquido consolidado da CGD atingiu 294 milhões de euros (249 milhões no período homólogo). O banco revela ainda a “continuação do reforço de imparidades de crédito em 90,2 milhões de euros em base preventiva dos potenciais efeitos da crise pandémica”.

Mais de metade das empresas com quebras no volume de negócios em 2020

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.
Comentários