“O meu lugar está sempre à disposição dos militantes do partido”, diz líder do CDS

Francisco Rodrigues dos Santos diz que não foi eleito por ter padrinhos no partido “nem com apoio de barões”. “Fui eleito com o apoio das bases do CDS que sabem que estarei neste lugar até entenderem que eu sou útil ao serviço do meu país”, sublinhou o dirigente centrista.

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos referiu que o seu lugar estaria à disposição dos militantes do partido, em resposta ao antigo dirigente do partido Adolfo Mesquita Nunes que pretende uma mudança na liderança. Francisco Rodrigues dos Santos garante estar focado nas eleições autárquicas.

“O meu lugar está sempre à disposição dos militantes do partido”, disse Francisco Rodrigues dos Santos admitindo vir a encontrar-se com Adolfo Mesquita Nunes para esclarecer as criticas a que foi sujeito na crónica escrita, pelo antigo dirigente do CDS, no jornal online “Observador”. As declarações do presidente centrista foram transmitidas através dá página pessoal de Francisco Rodrigues dos Santos no Facebook.

Em conferência de imprensa a partir da sede do partido, Francisco Rodrigues dos Santos referiu que “como presidente do CDS, utilizarei sempre o partido como um instrumento ao serviço do país e não ao serviço de agendas pessoais”.

Sobre os comentários tecidos por Adolfo Mesquita Nunes, o presidente dos centristas, sublinhou que “todas as discussões são legitimas numa vida interna do partido e têm locais próprios para se ter”.

Em resposta aos jornalistas, Francisco Rodrigues dos Santos voltou a frisar que foi eleito pelos militantes e não precisou do apoio de “barões”. “Não fui eleito por ter padrinhos no CDS, nem com apoio de barões, fui eleito com o apoio das bases do CDS que sabem que estarei neste lugar até entenderem que eu sou útil ao serviço do meu país”, sublinhou.

Quanto a possíveis diferentes perspetivas sobre a liderança dos centristas, o líder do CDS explicou que no começo da semana ” já tinha convocado os órgãos nacionais do partido, a comissão politica nacional e comissão executiva para nos debruçarmos sobre a situação política do partido onde naturalmente analisaremos estas questões que foram levantadas pelo ex-dirigente Adolfo Mesquita Nunes que agora de forma bastante vigorosa se voltou a interessar pela vida interna do partido”.

Críticas à parte, Francisco Rodrigues dos Santos garantiu que “toda a nossa direção do partido está a preparar as próximas eleições autárquicas”. “Compreendo que para quem não se tenha interessado muito pela vida do partido nos últimos tempos não compreenda o dano que provoca ao CDS ter estas discussões na praça pública”, sublinhou.

O presidente do CDS lembrou ainda que “esta direção que herdou uma dívida astronómica tudo tem feito para manter condições para que nada falte às nossas estruturas locais”.

Ainda no dia de hoje, durante entrevista, Francisco Rodrigues dos Santos já tinha comentado o que tinha dito Adolfo Mesquita Nunes e garantiu não ter “medo nenhum de ir a votos”.

Na crónica publicada a 26 de janeiro no “Observador”, Adolfo Mesquita Nunes escreveu que: “O CDS tem um problema de sobrevivência. E não temos muito tempo para resolvê-lo. Não se trata de uma opinião singular mas de um juízo consensual: não há ninguém que pense que as coisas nos estão a correr bem”. “Sucede que diariamente se confirma que a atual direção do CDS não foi capaz de liderar esse projeto e essa estratégia, independentemente das boas intenções”, referiu Adolfo Mesquita Nunes que já pediu eleições antecipadas no partido. 

Ler mais
Relacionadas
francisco_rodrigues_santos_cds_eutanasia

Francisco Rodrigues dos Santos: “Não acho que estes 500 mil votos de Ventura sejam todos de pessoas lunáticas ou fascistas”

Presidente do CDS defende que é preciso encontrar “soluções razoáveis” para a falta de respostas quanto a uma série de problemas graves que está a potenciar a votação no Chega. E garante que não será candidato à Câmara de Lisboa.

Líder do CDS devolve desafio de Adolfo Mesquita Nunes e diz que “não tem medo nenhum de ir a votos”

Francisco Rodrigues dos Santos disse, em entrevista à Rádio Observador, que não provoca “incidentes internos para interromper lideranças” e repetiu que não fez parte da direção partidária que teve o pior resultado eleitoral da história de sempre e “plantou à direita do CDS dois novos partidos”.

Adolfo Mesquita Nunes propõe Conselho Nacional para marcar eleições antecipadas no CDS-PP

O ex-secretário de estado do Turismo e antigo vice-presidente do CDS-PP considera que a “crise de sobrevivência” que o partido enfrenta não poderá ser resolvida pela atual direção e que é preciso “mudar de caminho” para travar a “velocidade da erosão” do CDS-PP.
Recomendadas

Autárquicas: IL vai reunir-se com Moedas e quer PSD e CDS libertos de “hábitos socialistas”

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou esta semana o ex-comissário europeu Carlos Moedas como candidato à Câmara de Lisboa nas próximas autárquicas, um “nome forte”, segundo o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, e que reuniu “um sólido consenso entre as direções do CDS e do PSD”.

Fundadores da Tendência Esperança e Movimento desfiliam-se do CDS-PP

Abel Matos Santos e Luís Gagliardini Graça, que foram fundadores da Tendência Esperança em Movimento do CDS-PP, desfiliaram-se do partido. Abel Matos Santos chegou a integrar a atual direção executiva de Francisco Rodrigues dos Santos.

Autarcas independentes exigem alterações à lei eleitoral até 31 de março

Autarcas eleitos por movimentos independentes exigiram hoje que, até 31 de março, seja feita “a alteração das inconstitucionalidades” provocadas pelas modificações introduzidas em 2020, pelo PS e PSD, na lei eleitoral autárquica.
Comentários