OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) prevê que a economia mundial vá sofrer uma contração de 4,2% em 2020, o que representa um cenário ligeiramente mais otimista do que a queda de 4,5% que fora divulgada no “Economic Outlook” de setembro.

Em sentido inverso, a entidade reviu em baixa as previsões de crescimento da economia mundial em 2021, apontando agora para 4,2%, bastante abaixo da projeção de 5% divulgada em setembro, apontando para uma nova recuperação de 3,7% em 2022.

Numa nota positiva, a OCDE avançou que “pela primeira desde o início da pandemia existe a esperança de um futuro melhor”, salientando o desenvolvimento das vacinas contra o SARS-CoV-2 e os pacotes de apoio dos governos e do setor financeiro para diminuir o impacto económico da crise sanitária.

“Evitou-se o pior, a maior parte do tecido produtivo foi preservado e pode ser retomado rapidamente, mas a situação continua a ser precária para muitos países, empresas e pessoas vulneráveis”, lê-se no relatório da OCDE, que destacou o “excelente retorno” das medidas excecionais de alívio fiscal que foram implementados ao longo deste ano.

Segundo o “Economic Outlook” divulgado nesta terça-feira, será a China a liderar a recuperação, concentrando um terço do crescimento previsto para o próximo ano, enquanto a Europa e a América do Norte manterão “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial”.

A China deverá registar um crescimento de 1,8% no PIB em 2020, sendo a única das principais economias a obter um saldo positivo, passando para um crescimento de 8% em 2021 e de 4,9% em 2022. Por seu lado, a zona euro sofrerá uma quebra de 7,5% este ano, recuperando 3,6% em 2021 e 3,3% em 2022, e os Estados Unidos terão uma contração de 3,7% neste ano, subindo 3,2% e 3,5% nos anos seguintes.

Ler mais

Relacionadas

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.
Recomendadas

Pandemia levou a tombo de 14,8% na atividade económica regional entre março e novembro de 2020

Dados do INE, revelados esta sexta-feira, revelaram que no conjunto das regiões portuguesas, a atividade económica tombaram significativamente. Algarve Madeira e Área Metropolitana de Lisbao viram a atividade económica cair mais do que a média nacional. Maiores tombos verificaram-se em atividades de alojamento e atividades artísticas, desportivas e recreativas.

Barómetro ACEGE: Apoios à TAP e empresas afetadas pela pandemia preocupam empresários

Respostas dos empresários e gestores associados do barómetro de janeiro da ACEGE, numa parceria com o Jornal Económico, a Rádio Renascença e a Netsonda, revelam preocupação com efeitos da Covid-19. Mas também sinais de otimismo quanto à evolução das suas empresas e à manutenção dos postos de trabalho.

Exportações de bens da zona euro cresceram para 197 mil milhões de euros em novembro

A zona euro registou um excedente de 25,8 mil milhões de euros em novembro de 2020 no comércio de bens com o resto do mundo. Exportações de bens começam a dar sinais de “um retorno aos níveis pré-Covid”.
Comentários