OE2018: Municípios agradados com proposta do Governo

A proposta de lei do Orçamento do Estado para 2018 agrada aos municípios, prevendo-se um aumento de 1,5% nas transferências de verbas do Estado, disse hoje em Coimbra o presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

“É uma proposta que nos agrada e que ficará melhor com as respostas que se esperam na lei do Orçamento e, complementarmente, num conjunto de dispositivos legais que venham a ser adotados e que nos garantam respostas para situações de tragédia como as dos incêndios”, disse Manuel Machado.

O presidente da ANMP falava aos jornalistas no final da reunião do Conselho Geral, que, hoje à tarde, aprovou por unanimidade o parecer sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2018.

De acordo com o parecer, a que a agência Lusa teve acesso, os municípios portugueses vão receber no próximo ano cerca de 2,492 mil milhões de euros, mais 37 milhões de euros em relação a 2017.

O documento considera que “seria expectável um esforço adicional do Governo no sentido de um passo mais substancial de recuperação da capacidade financeira retirada aos municípios”.

Daí que o Conselho Geral tenha mandatado o Conselho Diretivo para envidar esforços junto dos partidos políticos e da Assembleia da República “no sentido do reforço da reposição da capacidade financeira perdida pelos municípios”.

Como medidas positivas, o Conselho Geral da ANMP elenca a recuperação das competências dos municípios para recrutamento de recursos humanos, desde que não estejam em situação de saneamento ou rutura financeira, e a não aplicação da Lei dos Compromissos nas autarquias que não excedam o limite de endividamento.

O parecer elogia também a devolução de competências municipais em relação ao número de dirigentes municipais e à organização dos serviços e na aquisição de serviços.

O Conselho Geral da ANMP saúda também alargamento para 25 anos do prazo máximo para acordos de regularização de dívidas no abastecimento de água, saneamento e recolha e tratamento de resíduos sólidos.

Como medidas negativas, é apontada a não aplicação da Lei das Finanças Locais na repartição de recursos públicos entre o Estado e as autarquias locais, e na transferência de verbas para as entidades intermunicipais e áreas metropolitanas.

O documento considera ainda negativo que não tenha sido alterada para a taxa reduzida de 6% do IVA aplicável à iluminação pública e às refeições escolares, e a continuação da repartição do Adicional do Imposto Único de Circulação como os municípios.

Por outro lado, é ainda criticada a não eliminação das contribuições dos municípios para o Fundo de Apoio Municipal (FAM) e a manutenção da “ridícula situação referente à aplicação da contribuição para os audiovisuais a determinados equipamentos municipais”.

Ler mais

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários