OE2022: Chega quer que pequenas empresas, comércio, turismo e restauração sejam prioridades

“Estamos em pleno verão e o nosso turismo está de rastos com um orçamento que não apoia estas realidades, é um orçamento que não serve para os portugueses”, destacou André Ventura.

O presidente do Chega, André Ventura, afirmou que as empresas, o comércio, turismo e restauração deviam ser as prioridades para o próximo Orçamento do Estado.

Em conferência de imprensa, depois de reunião com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, André Ventura admitiu que pediu ao Chefe de Estado para “exercer a sua magistratura de influencia junto do Governo para que a bazuca europeia, os fundos europeus, mas também os próprios recursos nacionais não continuem a ser unicamente direcionados para instituições públicas, mas que tenham uma forte canalização para a economia”.

“Nós precisamos que este dinheiro chegue às pequenas empresas, que chegue ao comércio, que chegue ao turismo, à restauração, que chegue aqueles que mais tem sofrido com esta pandemia e que muitas vezes têm sustentado postos de trabalho em condições muito, muito difíceis”, sublinhou Ventura.

Segundo o líder do Chega, o partido “estará disponível para nenhuma apreciação e para nenhuma validação do Orçamento do Estado que não apoie diretamente estes que têm sido os sectores mais fragilizados da nossa economia e os sectores mais afetados que tanta destruição tem gerado na restauração, no comércio, no turismo, na hotelaria”.

“Estamos em pleno verão e o nosso turismo está de rastos com um orçamento que não apoia estas realidades, é um orçamento que não serve para os portugueses”, destacou André Ventura cujo partido votou contra o último Orçamento do Estado.

Recomendadas
medina_candidatura

CNE afasta irregularidade na inclusão de presidentes de institutos públicos na comissão de honra de Medina

Presidentes da Agência para a Modernização Administrativa, do Instituto Português do Desporto e Juventude e da Fundação INATEL surgem identificados com esses cargos na listagem de apoiantes da coligação Mais Lisboa. Membros do Governo optaram pelas respetivas profissões ou cargos partidários, “faltando” apenas cinco dos atuais ministros na comissão de honra de Fernando Medina.

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.
Comentários