Oferta pública da Science4You vai ser apenas para investidores de retalho, diz Pina Martins

O CEO da empresa portuguesa de brinquedos científicos informou, esta quinta-feira, na Web Summit que o objetivo é que a operação de dispersão de até 45% do capital em bolsa aconteça nos próximos dois meses. Acrescentou que o objetivo é investir no ‘e-commerce’.

A Oferta Pública de Distribuição para a entrada em bolsa da Science4you vai ser destinada apenas a investidores de retalho, e não a institucionais, e irá acontecer nos próximos dois meses, afirmou esta quinta-feira o CEO da empresa, Miguel Pina Martins. O gestor adiantou, durante a Web Summit, que um dos objetivos principais da operação é ganhar capacidade para investir no e-commerce.

“A oferta dirige-se ao retalho, em Portugal especialmente, mas também aberto a quem quiser vir de fora. Está muito focado em investidores que conhecem, gostam e consomem Science4You. Além de puderem contribuir para a educação das crianças, que possam também também participar no crescimento da empresa através das ações”, afirmou Pina Martins, em declarações aos jornalistas.

A empresa portuguesa dedicada ao desenvolvimento, produção e comercialização de brinquedos, informou esta quinta-feira, em comunicado,  que quer lançar uma Oferta Pública de Distribuição (IPO – Initial Public Offer) sobre ações representativas do seu capital social e solicitar a admissão à negociação no sistema de negociação multilateral Euronext Growth.

Nenhum investidor sai da estrutura acionista atual

“O Euronext Growth acaba por ser a forma mais fácil de uma empresa em Portugal fazer um IPO e é a última estação antes do mercado regulado. E também porque o nosso objetivo de longo prazo é que a empresa possa crescer e que as pessoas possam participam neste crescimento”, afirmou. Quanto à vontade de entrar no PSI 20, o CEO não excluiu a hipótese, referindo que poderá vir a ser um passo.

A empresa referiu, em comunicado divulgado no site da CMVM, que o IPO vai incluir a emissão de novas ações pela Science4you, S.A., em montante de aproximadamente 8,25 milhões de euros, e uma venda parcial de ações já existentes detidas por atuais acionistas da empresa.

Espera-se ainda que seja constituído por uma componente de aumento de capital e outra de venda de ações de atuais acionistas da empresa, podendo chegar até ao montante total de 15 milhões de euros, o que equivale a uma percentagem de capital a dispersar de até 45% do capital social.

Entre os principais investidores da Science4You estão o Millennium Fundo de Capitalização, a Portugal Ventures e o Banco Europeu de Investimento. Pina Martins revelou, na Web Summit, que nenhum dos atuais investidores irá sair do capital da empresa no IPO (ou vender mais de 50% da posição atual), mas explicou que todos irão vender uma parcela das participações.

Science4You quer seguir o exemplo da Raize e fugir do da Sonae MC

“Sempre acreditámos que podíamos fazer um IPO, mas houve uma operação este ano, que foi a da Raize que nos deu o trigger para avançar. É um sonho porque permite que alguns investidores institucionais possam sair um pouco – apesar de que todos vão ficar no capital da empresa, incluindo eu próprio – e também porque permite fazer um aumento de capital. Conseguimos satisfazer os dois mundos”, disse Pina Martins.

O CEO da empresa sublinhou que a entrada em bolsa da fintech portuguesa Raize em julho é um exemplo a seguir, enquanto não espera uma situação semelhante ao falhanço do IPO da Sonae MC no mês passado. “São operações muito diferentes. A Raize é uma operação muito mais parecida com a nossa do que a Sonae”, referiu.

No comunicado, a Science4You alertou que o IPO encontra-se ainda sujeito às aprovações necessárias, designadamente a aprovação do prospeto pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, e a condições de mercado favoráveis. No entanto, Pina Martins diz estar positivo quanto ao sucesso da operação.

“Há sempre sinais que vamos ter de interpretar e que vamos estar sempre atentos ao que o mercado disser, especialmente nos próximos dois meses, mas estamos positivos a acreditar que vamos conseguir”, disse o gestor. “Já houve contactos e há interesse dos investidores, mas o momento mais crítico é o da oferta”.

Aumento de capital vai reforçar aposta no e-commerce

Quanto à estratégia, irá manter-se focada em crescer, especialmente no online. “Ser cotado dá-nos holofotes de transparência e de ser uma empresa regulada, que é bastante importante para nós, mas acima de tudo, uma parte significativa da operação é por aumento de capital para que a empresa se capitalize e possa crescer mais que no ano passado”, afirmou.

Dez anos após a sua criação como startup, é hoje um importante player  no mercado de brinquedos em Portugal, com um volume de vendas consolidadas superior a 20 milhões de euros. A internacionalização irá continuar, mas o principalmente objetivo é o e-commerce.

“Já estamos praticamente em quase todos os mercados relevantes”, disse o CEO, referindo que a empresa está presente em mais de 50 países. “O nosso grande objetivo é fazer crescer vendas e este investimento serve para uma aposta muito clara no e-commerce. Os brinquedos têm uma grande quota de mercado de comércio online e consideramos que ainda há um potencial muito grande para continuar a crescer”, acrescentou.

[Atualizada às 12h56]

Ler mais
Relacionadas

Science4You vai entrar em bolsa para dispersar até 45% do capital

É expectável que o IPO seja constituído por uma componente de aumento de capital e outra de venda de ações de atuais acionistas da empresa, podendo chegar até ao montante total de 15 milhões de euros, o que equivale a uma percentagem de capital a dispersar de até 45% do capital social, explicou a empresa liderada por Pina Martins.

Vendas da Science4you aumentam 66% em 2017

A empresa portuguesa de brinquedos educativos registou no último ano um volume de vendas de 27 milhões de euros, com mais de 70% proveniente dos mercados internacionais.
Recomendadas

Igreja Anglicana propõe orações e chá para enfrentar incerteza do Brexit

Perante os últimos dias de incerteza que têm marcado o ‘Brexit’, a Igreja Anglicana no Reino Unido está a fazer uma proposta peculiar aos fiéis: beber uma chávena de chá e fazer uma “oração” pelo futuro do país.

May vai escrever a Tusk para pedir adiamento do Brexit

Secretário de Estado para o ‘Brexit’ admitiu ser “altamente provável e esperado que o Conselho Europeu peça um objetivo claro para qualquer extensão, sobretudo para determinar a sua duração”, sendo que a aprovação de uma extensão tem de ser por unanimidade.

Presidente do Parlamento britânico nega nova votação do ‘Brexit’ de Theresa May

John Bercow, que se tornou numa figura central no processo do Brexit, negou a May uma nova votação do tratado que a primeira-ministra negociou com Bruxelas.
Comentários