Oliveira do Hospital ganha contact centre da Randstad

O centro representa a criação de 200 postos de trabalho e vai prestar atendimento em língua francesa para a Altice.

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e a Randstad Portugal anunciaram esta terça-feira, 25 de outubro, a assinatura do protocolo que assegura a instalação do novo contact centre da empresa de recursos humanos nesta cidade.

O centro representa a criação de 200 postos de trabalho, dos quais 50 até ao final do ano.

Este projeto conta com uma forte vertente formativa na língua francesa: a Randstad disponibiliza formação em francês aos candidatos com conhecimentos básicos no idioma que pretendam integrar o centro de atendimento, estando, neste momento, já 70 pessoas a receber esta formação.

Em comunicado de imprensa, José Carlos Alexandrino, presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, vinca a importância do investimento, que considera “um contributo para o retorno das pessoas” ao município e um veículo para “atrair novas pessoas que podem encontrar aqui a oportunidade de trabalho que ambicionam”.

Por seu turno, José Miguel Leonardo, CEO da Randstad Portugal, diz que “além dos postos de trabalho criados, o projeto destaca-se pela qualificação dos recursos humanos, com a formação técnica e ao nível da língua francesa”.

O projeto de atendimento em língua francesa para o grupo Altice conta já com sete contact centers da Randstad –  Castelo Branco, Lamego, Amarante, Guarda, Vieira do Minho, Viana do Castelo e Fafe (já confirmadas as cidades de Viseu, Penafiel e Macedo de Cavaleiros) – e uma equipa de  1.200 pessoas. As previsões apontam para que o projeto chegue ao final do ano com um total de 1.400 colaboradores envolvidos.

Ler mais

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários