OMC dá razão à China em disputa sobre tarifas americanas

Um dos principais aspetos da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, a imposição de tarifas a produtos chinesas por parte dos americanos, foi agora considerada excessiva pela Organização Mundial do Comércio.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) determinou esta terça-feira que as tarifas impostas pelos EUA às importações chinesas são excessivas e inconsistentes com a norma internacional, reporta a Agencia EFE. A decisão foi tomada por um painel de especialistas do órgão pertencente à ONU depois de um pedido da China em 2018.

A decisão da OMC salienta que as tarifas americanas “não são consistentes com os princípios da nação mais favorecida” do organismo, além de excederem o limite máximo negociado entre a organização e o governo de Washington.

Os EUA impuseram em 2018 tarifas de 25% a 50 mil milhões de dólares (42,2 mil milhões de euros) de importações vindas da China, relembra a Agência EFE. Ainda nesse ano, mais 200 mil milhões de dólares (168,8 milhões de euros) foram alvo de outros 10% de tarifa, que em 2019 seriam atualizados para 25%.

Recomendadas

Jerónimo de Sousa diz que existem “todas as condições” para que o dinheiro de Bruxelas seja “bem aplicado”

O secretário-geral do PCP diz que o partido não irá “levantar a dificuldade pela dificuldade”, comprometendo-se com a apresentação de propostas concretas.

Portugal regista mais 623 casos e oito mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 140 altas nas últimas 24 horas, elevando para 45.736 o número total de pessoas livres do vírus.

Iniciativa Liberal vê Plano de Resiliência como “indício de uma oportunidade perdida”

João Cotrim Figueiredo reagiu ao Plano de Recuperação e Resiliência com críticas ao “dirigismo” e “aspetos propagandísticos” de um documento em que apenas um terço das verbas se destinam a investimento reprodutivo, com recapitalização das empresas e geração de emprego.
Comentários