ONU disponibiliza 38,5 milhões de euros para apoiar sistema de saúde no Afeganistão

A ONU vai disponibilizar 45 milhões de dólares (38,5 milhões de euros) em ajuda emergencial para apoiar o sistema de saúde no Afeganistão, disse esta quarta-feira Martin Griffiths, secretário-geral adjunto das Nações Unidas para Assuntos Humanitários.

Afeganistão

“Remédios, suprimentos médicos e gasolina estão a acabar no Afeganistão. A cadeia de frio está comprometida [nos hospitais]. Os trabalhadores da saúde essenciais não estão a ser pagos”, disse Griffiths num comunicado.

Os recursos libertados hoje vão para a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) e devem possibilitar, por meio de organizações não-governamentais (ONG) nacionais e internacionais, o funcionamento de centros de saúde e inclusive hospitais onde estão a ser atendidos pacientes com covid-19, segundo Griffiths.

O responsável da ONU esteve recentemente no Afeganistão e manteve conversações com funcionários do Governo talibã.

“Permitir que o sistema de saúde afegão entre em colapso teria consequências desastrosas”, disse o secretário-geral adjunto da ONU.

O Afeganistão enfrenta uma grave crise humanitária devido a dezenas de milhares de pessoas deslocadas pela violência durante a tomada do poder pelos talibãs, que ocorreu em 15 de agosto, pela crise económica por falta de dinheiro, pela seca devastadora que o país enfrenta e pela pandemia do SARS-CoV-2.

Recomendadas

“A Arte da Guerra”. “Zemmour? Em França, há muita gente à direita que nunca votará Le Pen”

O surgimento de um novo protagonista nas presidenciais francesas foi um dos temas em análise por parte do embaixador Francisco Seixas da Costa, na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV.

‘Best-seller’ Carmen Mola ganha prémio mas quem o recebe são três homens por trás do pseudónimo

“Não nos escondemos atrás de uma mulher, escondemo-nos atrás de um nome”, evidenciaram Agustín Martínez, Jorge Días e Antonio Mercero.

Estado de emergência na Alemanha termina a 25 de novembro

O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde alemão, Jens Spahn que diz que o país está a “a passar de um estado de emergência para um estado de cautela especial”.
Comentários