ONU publica lista negra de empresas que fazem negócios nos territórios ocupados

Governo de Israel insurgiu-se contra a publicação, dizendo que é mais um instrumento de boicote à própria existência do país. A lista tem 112 empresas de várias nacionalidades.

No dia seguinte ao Conselho de Segurança da ONU ter examinado o plano de paz do presidente Donald Trump sem o ter votado, a organização divulgou uma lista negra de empresas que fazem negócios no território palestiniano ocupado, pendente de publicação há mais de três anos.

Surgido de uma resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU adotada em 2016, a lista inclui agora 112 empresas e 94 delas são israelitas. Empresas norte-americanas como a Airbnb e a TripAdvisor, os franceses da Alstom, ou a agência de viagens virtual com sede no Luxemburgo eDreams, constam da extensa lista.

A sua publicação croiou um forte mal-estar em Israel. O ministro das Relações Exteriores, Israel Katz denunciou que “a lista negra de empresas representa uma nova capitulação à pressão de países e organizações interessados ​​em prejudicar Israel (…) com políticas discriminatórias”. “Com esta decisão, o Conselho torna um parceiro e instrumento do movimento de boicote [ao Estado Judaico].

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, reconheceu numa declaração emitida em Genebra que a publicação foi uma medida “muito controversa”, embora tenha enfatizado que o relatório foi feito após “um processo de revisão” longo e meticuloso. ”As Nações Unidas referem que a informação não se destina a servir por si só“ como base para uma condenação judicial ”.

O ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad al Maliki, instou a comunidade internacional a impor às empresas que fazem negócios nos territórios ocupados israelitas a cessação das suas atividades nesses territórios.

Além dos principais bancos e empresas de telecomunicações israelitas, a lista negra inclui seis empresas norte-americanas, incluindo Motorola, empresas tecnológicas quatro empresas holandesas, três francesas, três britânicas, uma luxemburguesa e uma tailandesa.

Ler mais
Recomendadas

Presidente de Cabo Verde declara Estado de Emergência pela primeira vez no país

Jorge Carlos Fonseca justificou a medida como o objetivo de defender interesses e valores fundamentais do país e da comunidade e para dar meios legítimos às autoridades para um combate mais eficaz à pandemia.

Joseph E. Lowery morre aos 98 anos

O reverendo, um veterano líder dos direitos civis que lutou contra a discriminação racial e ajudou Martin Luther King a fundar a Conferência de Liderança Cristã do Sul, morreu esta sexta-feira em casa, em Atlanta.

Casos de coronavírus em Espanha sobem para 72.248

O número diário de vítimas mortais atingiu um novo recorde: 832 só nas últimas 24 horas. O acordo que estende o Estado de Emergência em Espanha foi publicado este sábado em boletim oficial, depois de o Congresso dos Deputados ter autorizado mais 15 dias para auxiliar na gestão da crise.
Comentários