ONU publica lista negra de empresas que fazem negócios nos territórios ocupados

Governo de Israel insurgiu-se contra a publicação, dizendo que é mais um instrumento de boicote à própria existência do país. A lista tem 112 empresas de várias nacionalidades.

No dia seguinte ao Conselho de Segurança da ONU ter examinado o plano de paz do presidente Donald Trump sem o ter votado, a organização divulgou uma lista negra de empresas que fazem negócios no território palestiniano ocupado, pendente de publicação há mais de três anos.

Surgido de uma resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU adotada em 2016, a lista inclui agora 112 empresas e 94 delas são israelitas. Empresas norte-americanas como a Airbnb e a TripAdvisor, os franceses da Alstom, ou a agência de viagens virtual com sede no Luxemburgo eDreams, constam da extensa lista.

A sua publicação croiou um forte mal-estar em Israel. O ministro das Relações Exteriores, Israel Katz denunciou que “a lista negra de empresas representa uma nova capitulação à pressão de países e organizações interessados ​​em prejudicar Israel (…) com políticas discriminatórias”. “Com esta decisão, o Conselho torna um parceiro e instrumento do movimento de boicote [ao Estado Judaico].

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, reconheceu numa declaração emitida em Genebra que a publicação foi uma medida “muito controversa”, embora tenha enfatizado que o relatório foi feito após “um processo de revisão” longo e meticuloso. ”As Nações Unidas referem que a informação não se destina a servir por si só“ como base para uma condenação judicial ”.

O ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad al Maliki, instou a comunidade internacional a impor às empresas que fazem negócios nos territórios ocupados israelitas a cessação das suas atividades nesses territórios.

Além dos principais bancos e empresas de telecomunicações israelitas, a lista negra inclui seis empresas norte-americanas, incluindo Motorola, empresas tecnológicas quatro empresas holandesas, três francesas, três britânicas, uma luxemburguesa e uma tailandesa.

Ler mais
Recomendadas

Argentina prolonga até fim de agosto negociações com os credores

O governo argentino vai apresentar uma nova proposta aos credores para conseguir um acordo de reestruturação de 66 mil milhões de dólares de dívida.

Funchal apresenta “argumentos fortes” a Boris Johnson

Presidente da Câmara escreveu a PM britânico a sublinhar que a Madeira tomou “todas as medidas necessárias” para garantir aos turistas “férias seguras”, enquanto desfrutam de “clima temperado”.

Premium“Presidente sérvio deve ir quanto antes a Bruxelas”

Aumento do poder do Partido Progressista traz de volta o temor da escalada de violência, que nos Balcãs precisa de quase nada para acontecer.
Comentários