Orçamento Europeu: “Vinte e Sete” voltam à mesa para discutir nova proposta

Iniciada na quinta-feira às 16:30 horas locais (menos uma em Lisboa), a cimeira foi interrompida cerca das 20:30, após os 27 chefes de Estado e de Governo à volta da mesa se pronunciarem sobre a proposta apresentada pelo presidente do Conselho, Charles Michel, que decidiu iniciar então uma série de reuniões bilaterais, que se prolongaram pela madrugada e também pelo dia de hoje.

O Conselho Europeu extraordinário para negociar o orçamento plurianual, iniciado na quinta-feira em Bruxelas, foi retomado formalmente hoje à tarde, estando agora sobre a mesa uma proposta revista ainda menos ambiciosa que a anterior, mas com um reforço na coesão.

Iniciada na quinta-feira às 16:30 horas locais (menos uma em Lisboa), a cimeira foi interrompida cerca das 20:30, após os 27 chefes de Estado e de Governo à volta da mesa se pronunciarem sobre a proposta apresentada pelo presidente do Conselho, Charles Michel, que decidiu iniciar então uma série de reuniões bilaterais, que se prolongaram pela madrugada e também pelo dia de hoje.

O reinício formal do Conselho, inicialmente agendado para hoje de manhã, foi sendo sucessivamente adiado, para dar lugar a múltiplas reuniões nos mais diversos formatos, com o objetivo de tentar aproximar posições, tendo finalmente tido lugar hoje perto das 19:00 locais (18:00 de Lisboa), depois de, na sequência das consultas, ter sido elaborado um novo documento negocial.

Sobre a mesa, os 27 têm agora um “documento técnico” elaborado pela Comissão Europeia – que está a prestar apoio técnico ao presidente do Conselho, Charles Michel -, que prevê um Quadro Financeiro Plurianual com contribuições equivalentes a 1,069% do Rendimento Nacional Bruto.

Este montante global fica não só aquém da proposta colocada sobre a mesa por Charles Michel (1,074%), como também da proposta apresentada em dezembro passado pela presidência finlandesa (1,07%), liminarmente rejeitada pelos líderes europeus.

A proposta inicial da Comissão Europeia previa um montante global equivalente a 1,1% do RNB, e o Parlamento Europeu – que tem a última palavra no processo – reclama um montante de 1,3%.

Além dos ‘cortes’ suplementares face à proposta de Charles Michel, o documento prevê uma redistribuição de várias verbas, na tentativa de ir ao encontro das reivindicações dos Estados-membros, e, nesse sentido, são ‘canalizados’ 4,8 mil milhões de euros adicionais para a política de coesão, em concreto para “políticas especiais e situações especiais”, e também mais dinheiro para a Política Agrícola Comum (PAC), quer para os pagamentos diretos (2 mil milhões), quer para o desenvolvimento rural (2,4 mil milhões).

De novo com os 27 sentados à mesa, o objetivo é ter uma noção do acolhimento que este documento tem entre os Estados-membros, e, em função da “dinâmica” que se registar na sala, será decidido como prosseguirão os trabalhos e se a cimeira continuará.

Ler mais

Recomendadas

Angola disponibiliza 800 milhões de euros para apoiar PME

O governo angolano pretende também “desanuviar a pressão” sobre a tesouraria das empresas alargando os prazos limite para liquidação de obrigações tributárias.

Produção industrial em Itália cai 2,4% em fevereiro

Em termos homólogos, a produção industrial subiu em bens de capital (1,4%) e baixou a de bens de consumo (3%), a de bens intermédios (2,3%) e a de energia (0,6%).

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.
Comentários