Os cadernos de encargos para uma nova geringonça

PCP rejeita acordos escritos e prefere acordos pontuais tendo em conta avanços em matérias como salários e pensões. Bloco quer reversão de medidas laborais da troika e mais investimento na saúde. PS avisa que “contas certas” são para continuar.

antonio_costa_legislativas_altis_1
Mário Cruz/Lusa

Os discursos de António Costa (PS), Catarina Martins (BE) e Jerónimo de Sousa (CDU) na noite eleitoral mostraram as matérias sobre as quais terá de haver negociação para que a ‘geringonça’ seja reeditada na próxima legislatura – embora desta vez haja dúvidas sobre a possibilidade de haver acordos escritos entre os partidos.

Do lado do PCP, Jerónimo de Sousa frisou que há condições para que António costa seja indigitado primeiro-ministro mas sublinhou também que eventuais soluções governativas deverão ser feitas “sem compromissos formais” – o PCP quer acordos pontuais em função dos avanços em matérias específicas.

E enumerou vários pontos que o partido vai levar para a mesa das negociações, entre as quais o aumento do salário mínimo para 850 euros, aumento das pensões , creches gratuitas para todas as crianças até aos três anos, construção de habitação pública  e investimento no Serviço Nacional de Saúde.

Catarina Martins mostrou-se mais flexível e com disponiblidade quer para acordos pontuais, sem compromissos escritos para a legislaura, quer para entendimentos formais para quatro anos.

Em termos de medidas e opções polítcias, a intervenção da líder do Bloco foi clara. Por um lado,  “defender quem vive do seu trabalho em Portugal, desde logo repondo os cortes que foram feitos na Troika e que ainda estão na legislação laboral”, com a reposição dos dias de férias e das compensações por despedimento”. O Bloco quer também mais investimento público, nomeadamente para “salvar o serviço nacional de saúde”, bem como a recuperação adicional de salários, pensões e direitos.

Quanto à possibilidade de integrar o Governo numa coligação, “essa matéria está fora de questão”, disse Catarina Martins. “A vitória do PS é expressiva, o PS tem todas as condições para fazer um governo. O BE estará no parlamento com mandato que foi conferido, a lutar intransigentemente pelos compromissos que fizemos desde o início com toda a disponibilidade para negociar”.

As linhas vermelhas de Costa

Mas António Costa fez questão de frisar que o PS também tem linhas vermelhas, e que foi o PS que mais saiu reforçado destas eleições: “Não são só os outros que têm cadernos de encargos, nós também temos”.

O secretário-geral do PS sublinhou que “ninguém tem dúvidas de que o equilíbrio desta solução de governo só foi possível graças ao PS”, reiterando que vai continuar o caminho das “contas certas”, com o controlo do défice público e a redução da dívida pública, sem pôr em causa a participação de Portugal no projeto europeu.

“Ninguém tenha dúvidas de que a força essencial de dizer sim ou não é o que impõe o interesse nacional. Se o interesse nacional se impuser, diremos não, qualquer que seja a consequência que retirem da nossa proposta”.

Ler mais
Recomendadas

PSD apela à UE para encontrar “solução urgente” para ataques terroristas em Moçambique

“O Norte de Moçambique enfrenta, desde 2017, ações terroristas de extremismo violento de grupos jihadistas”, lembrou o partido social democrata.

Ministro do Mar torna-se o sexto membro do Governo a receber subsídio de alojamento

Ricardo Serrão Santos receberá cerca de 750 euros mensais, tal como já estava a acontecer com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e os secretários de Estado Nuno Rodrigues e Pinheiro, Jorge Moreno Delgado, Antero Luís e José Mendes.

Mudanças no apoio ao grupo parlamentar do PAN

No despacho do PAN consta “Exonerados do cargo de assessores” ficam Márcio Manuel Cavaleiro da Quadrada, Sara Filipa Tomé Marques Martins, Susana Isabel de Oliveira Andrade.
Comentários