Os cinco maiores diamantes do mundo

Os maiores diamantes do mundo têm, em comum, o facto de terem sido descobertos em África.

Localizada no oeste da Austrália, a mina de Argyle é a maior do mundo em termos de produção. Detida pelo grupo Rio Tinto, com sede em Londres, tem o encerramento previsto no próximo ano. Segundo a Bloomberg, Argyle é conhecida por ser a fonte de 90% dos diamantes cor de rosa e roxos, que atingem preços muito elevados no mercado, e que são extremamente raros.

O encerramento é uma boa notícia para os produtores num setor que tem sido afetado por excesso de oferta, o que tem provocado uma descida dos preços dos diamantes normais nos últimos anos. No entanto, os maiores diamantes do mundo foram encontrados em minas africanas.

Cullinan
Com 3,106 quilates foi descoberto em 1905 numa mina da África do Sul. A pedra preciosa foi dada ao rei Eduardo VII, do Reino Unido. Depois, o diamante sul-africano foi cortado em nove gemas menores, que, atualmente, fazem parte das joias da coroa inglesa.

Lesedi La Rona
Descoberto numa mina em Botswana, em novembro de 2015, tem 1,109 quilates. O nome significa “nossa luz” em tsuana, um idioma falado naquele país africano.

The Star of Sierra Leone
Com 969 quilates este diamante foi encontrado por mineiros artesanais, em 1972, na Serra Leoa. Este país é uma das maiores fontes mundiais de diamantes.

Excelsior
Com 955 quilates foi descoberto numa mina da África do Sul, em 1893. Foi cortado em 20 gemas e sabe-se que uma delas foi leiloada por 2,6 milhões de dólares.

Gem Diamond
Descoberto esta semana no Lesoto. Apesar da empresa ainda não ter divulgado o valor da peça, diversos especialistas já avaliaram esta descoberta entre 40 a 50 milhões de dólares.

Ler mais
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários