Os planos do CEO português para a Kraft Heinz

Inovação e proximidade com o cliente não são estratégias originais, mas podem ser exatamente o que a companhia precisa, escreveu Miguel Patrício no LinkedIn.

O novo presidente da Kraft Heinz, Miguel Patrício, tem um enorme desafio nas mãos: reerguer a companhia que parece ter ficado parada no tempo. O português, que deixou a diretoria da cervejaria AB Inbev para liderar a companhia no começo de julho, acredita que a empresa tem potencial para voltar ao topo com as mesmas marcas que a trouxeram aqui.

“A mudança é que a empresa precisa inovar, encontrar o mercado premium e ouvir o consumidor”, afirmou o executivo num post do LinkedIn. Inovação e proximidade com o cliente não são estratégias originais, mas podem ser exatamente o que a companhia precisa.

A Kraft Heinz, controlada pelo grupo 3G, já foi sinónimo de sucesso na indústria alimentar. No entanto, tem pouca adesão numa geração que procura novidades, valoriza produtos saudáveis e marcas locais. Isso levou a um cenário de queda nos lucros e no valor de mercado da companhia.

O executivo português vai tentar dar a volta a um grupo que registou prejuízos de 10,3 mil milhões de dólares (9,1 mil milhões de euros) em 2018, o que compara com os lucros de oito mil milhões de dólares verificados no ano anterior.

Este desempenho deveu-se à revisão, em baixa, de vários ativos intangíveis no último trimestre do ano. O grupo Kraft Heinz também está a ser investigado pelo regulador do mercado norte-americano (SEC) por alegadas práticas contabilísticas irregulares, o que levou à abertura de um inquérito interno.

“Pretendo trazer uma visão muito diferente com a minha experiência na área do consumo alimentar”, referiu o português em declarações à estação norte-americana CNBC.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários