45 mais ricos de Portugal têm uma fortuna de 24 mil milhões de euros. Amorim lidera a lista

O diretor-executivo da revista Forbes, Luís Leitão, explica ao Jornal Económico o trabalho por detrás da lista dos mais ricos de Portugal, encabeçada pela família Amorim, que tem como principais ativos a petrolífera Galp Energia e a Corticeira Amorim e uma fortuna avaliada em 4.502 milhões de euros.

As fortunas das 45 famílias mais ricas de Portugal totalizam, em conjunto, 24 mil milhões de euros, o equivalente a 13% do produto interno bruto (PIB) português. Estes são dados compilados pela revista Forbes, que publica a lista dos mais ricos de Portugal na edição de Julho/agosto, mas que o diretor-executivo da revista, Luís Leitão, explica ao Jornal Económico.

A lista dos mais ricos é encabeçada pela família Amorim, que tem como principais ativos a petrolífera Galp Energia e a Corticeira Amorim, com 4.502 milhões de euros. A família Soares dos Santos, que detém a Jerónimo Martins, aparece a seguir, com 3.419 milhões de euros.

E a nova economia também já está presente, com José Neves, da plataforma eletrónica de moda Farfetch, a ocupar a nona posição, com 689 milhões de euros.

Consulte aqui a lista dos mais ricos de Portugal

 

Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários