PAN vai votar a favor do novo estado de emergência: “Narrativa não deve estar virada para desconfinamento”

O porta-voz do PAN, André Silva, considera que ainda é cedo para se falar em desconfinamento e que o confinamento e as medidas restritivas atuais devem manter-se por mais tempo para que possa consolidar-se a redução dos contágios pela Covid-19.

“Este caso [Tancos] está a desviar a atenção daquilo que é essencial, que é todos podermos fazer uma campanha a informar as pessoas das nossas propostas.”

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) anunciou esta terça-feira que vai votar a favor da renovação do estado de emergência, que ser votada na quinta-feira no Parlamento. O porta-voz do PAN, André Silva, considera que ainda é cedo para se falar em desconfinamento e que o confinamento e as medidas restritivas atuais devem manter-se por mais tempo para que possa consolidar-se a redução dos contágios pela Covid-19.

“O PAN vai votar favoravelmente a renovação da declaração do estado de emergência. O contexto epidemiológico mantém-se semelhante àquele que tivemos há 15 dias”, argumentou André Silva, à saída da reunião com o Presidente da República, sobre a renovação do estado de emergência.

Em conferência de imprensa, André Silva reconheceu os números de casos e de internados devido à Covid-19 estão “mais reduzidos”, mas sublinhou que esse decréscimo não é ainda suficiente para garantir que se possa “sair deste panorama de confinamento e de restrição de movimentos necessário para continuar a combater a pandemia”. “Somos favoráveis a que essas restrições se mantenham”, reiterou.

André Silva frisou que o sentido de voto do PAN está já decidido, tendo em conta que, durante a reunião com o Presidente da República, foi comunicado que o novo decreto de renovação do estado de emergência “será semelhante ou igual ao de há 15 dias”. Ou seja, o novo decreto presidencial deverá manter, entre outras medidas, o confinamento geral, as restrições nas fronteiras e o fecho do comércio não essencial.

O porta-voz do PAN sinalizou ainda que levou ao Presidente da República “várias preocupações”, como a necessidade de apoio aos setores que vão continuar fechados, a revisão dos conteúdos programáticos tendo em conta que as aulas decorrem agora em regime virtual e a equiparação dos cerca de 10 mil estudantes nas variadas áreas da saúde a estagiar nos hospitais aos profissionais de saúde no que toca à vacinação.

“Neste momento, face ao contexto epidemiológico, a narrativa não deve estar virada para o desconfinamento. Esperamos que o Governo, nesta fase, esteja a preparar o desconfinamento, com um plano que seja robusto e capaz, de acordo com critérios que têm a ver com a região, mobilidade e transmissão”, referiu.

Ler mais
Recomendadas

Governo espera reabrir turismo em maio

“Por enquanto, as viagens não essenciais precisam de ser restritas, mas acreditamos que Portugal vai poder permitir viagens sem restrições em breve, não só para pessoas vacinadas, mas também para pessoas imunes ou que testem negativo”, afirmou Rita Marques à BBC.

SATA aprova acordo de emergência. Sindicato diz que salvou mais de 500 postos de trabalho na TAP

Num universo de 213 associados tripulantes da SATA, votaram 152 associados, com 135 votos a favor e 17 votos contra o ‘Acordo de Emergência’, releva um comunicado do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, dando assim por concluído um processo que envolveu 40 reuniões com as administrações da PGA, da TAP e da SATA, num balanco global em que o sindicato destaca que se salvaram mais de 500 postos de trabalho na TAP.

Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.
Comentários