“Para uns milhões, para outros tostões”: PAN e PEV apresentam propostas para acabar financiamento às touradas

O PAN lembrou que “para estes casos, PS e PSD invocam a lei travão e a necessidade de estabilidade orçamental, deixando para trás medidas da mais elementar justiça económica e social. Para a tauromaquia há sempre dinheiro e nunca ouvimos falar da lei travão.

Foto Agência EFE

A deputada do Partido Ecologista Os Verdes (PEV) Mariana Silva e a deputada do PAN Inês de Sousa Real apresentaram, durante reunião plenária desta terça-feira, projetos lei que têm como objetivo impedir o financiamento público aos espetáculos tauromáquicos

O PAN lembrou que “para estes casos, PS e PSD invocam a lei travão e a necessidade de estabilidade orçamental, deixando para trás medidas da mais elementar justiça económica e social. Para a tauromaquia há sempre dinheiro e nunca ouvimos falar da lei travão. Para uns milhões, para outros tostões”.

“Nesta casa da democracia é importante falar-se em dados, mas é também fundamental discutir-se ética, valores e, obviamente, opções políticas para a atribuição de verbas. Até porque a realização de touradas em Portugal depende dos subsídios para a criação de touros”, referiu a deputada do PAN Inês de Sousa Real.

Sobre as formas de apoio à tauromaquia a deputada do PAN, destacou a “atribuição de subsídios para o apuramento da raça brava de lide, a transmissão das corridas de touros no canal público de televisão, apoios das autarquias: aquisição de bilhetes, construção e reabilitação de praças de touros, publicidade, escolas de toureio, como é o caso da Câmara de Vila Franca de Xira, que anualmente gasta mais de 270 mil em apoios à atividade tauromáquica, dos quais 60 mil euros vão para a «escola» de toureio”.

A praça de touros do Campo Pequeno que beneficia de uma isenção de IMI no valor de 9 milhões de euros, por ano, e os 2,5 milhões gastos na reabilitação da praça de touros de Estremoz também foram mencionados pelo PAN.

Já a deputada do PEV Mariana Silva explicou que “não tem que ser que ser todos os portugueses a pagar com dinheiros públicos as touradas através de apoios ou subsídios que são atribuídos a empresas particulares no âmbito da atividade tauromáquica”. A deputada do PEV lembrou ser importante “travar o financiamento publico às touradas, sendo esta uma atividade desrespeitadora do bem estar animal não pode depender do financiamento público”.

Mariana Silva destacou que este é “um tema tão sensível para os que não identificam e pedem que acabe como para os que não se imaginam ver decretado o fim desta atividade”. “As corridas de touros mesmo que sobre o prisma de um dia de espetáculo cultural não podem deixar de ser reconhecidas e comportando uma dose efetiva de violência, agressão, sofrimento de animais e até risco permanente morte para o toureiro”, referiu.

“A sociedade deverá caminhar no sentido do abandono de práticas que não são compatíveis com o estatuto de proteção reconhecido por todo o mundo aos animais”, defendeu Mariana Silva.

Ler mais
Relacionadas

“Até junho, nenhum estabelecimento fechou por não conseguir pagar a renda”, garante secretário de Estado do Comércio

“Ate ao mês de junho, não houve nenhum operador económico do comércio dos serviços ou da restauração que tenha sido encerrado por força de não conseguir fazer frente ao pagamento da renda”, garantiu João Torres durante reunião plenária.

André de Aragão Azevedo: “Temos hoje um Portugal mais inovador e aberto ao conhecimento”

Na Web Talk promovida esta terça-feira pelo JE e Huawei sobre o papel da tecnologia na recuperação económica, o secretário de Estado para a Transição Digital afirmou que a digitalização acelerada que o país assistiu nos últimos meses resultou de uma estratégia concertada e um esforço de investimento de décadas, que está agora a dar frutos.

EDP interveio em avaliações do Credit Suisse e Caixa BI às barragens, diz Tribunal

O Tribunal apontou para provas que indiciam que o Crédit Suisse entregou a Rui Cartaxo um “‘memorandum’ relativo à avaliação da extensão do domínio hídrico, o qual foi apreendido nas buscas à sede da EDP” e que isso alegadamente demonstra que foi a elétrica que “orientou o Crédit Suisse na avaliação do domínio hídrico”.
Recomendadas

“Silêncio de hoje tornará inoportunas críticas de amanhã”. PS lamenta falta de ideias da direita para fundos europeus

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS), José Luís Carneiro, lamenta que, até ao momento, os partidos da direita não tenham apresentado qualquer ideia e desafia-os a apresentarem propostas até ao final de agosto.

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

André Ventura rejeita qualquer hipótese de entendimentos entre o Chega e o PSD ou CDS-PP

O presidente demissionário e deputado único do Chega, André Ventura, diz que o Chega “não está à venda” nem tem intenção de se tornar “o CDS do século XXI” e deixa a mesma resposta para o PSD e CDS-PP: “Não obrigado, não queremos nem aceitamos” acordos ou entendimentos.
Comentários