Parlamento “chumba” candidatos a quatro órgãos, incluindo fiscais das “secretas”

O parlamento chumbou esta sexta-feira os candidatos ao Conselho Superior de Defesa Nacional, Conselhos de Fiscalização do SIRP e do Sistema Integrado de Informação Criminal e Conselho Superior de Informações.

O parlamento chumbou esta sexta-feira os candidatos ao Conselho Superior de Defesa Nacional, Conselhos de Fiscalização do SIRP e do Sistema Integrado de Informação Criminal e Conselho Superior de Informações.

De acordo com os resultados publicados na página da Assembleia da República, os candidatos propostos não conseguiram os votos suficientes para serem eleitos, no caso dois terços (152) dos deputados que votaram (228), ao abrigo da Constituição e da legislação portuguesa.

Deste modo, não foram eleitos Luís Patrão (PS) e Joaquim da Ponte (PSD) para o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República Portuguesa, que tivera 137 votos favoráveis, 75 votos brancos e 16 votos nulos.

O deputado e secretário-geral adjunto do PS José Luís Carneiro falhou a eleição para o órgão de consulta do Presidente da República, o Conselho Superior de Defesa Nacional, tendo recolhido 148 votos sim, 73 votos brancos e 7 votos nulos.

Para o Conselho Superior de Informações falharam a eleição Jorge Lacão (PS) e André Coelho Lima (PSD), recolheram 142 votos a favor, 68 votos brancos e 18 votos nulos.

A eleição para este tipo de órgãos exige uma maioria de dois terços e um acordo entre os dois maiores partidos, PS e PSD.

Ler mais
Recomendadas

Governo clarifica medida para explicitar que quem esteve em lay-off pelo menos 30 dias consecutivos tem direito ao complemento de estabilização

A clarificação foi confirmada pelo comunicado do Conselho de Ministros desta quinta-feira, 13 de agosto.

“Festa do Avante? Tem que haver cumprimento das regras vigentes”, garante Governo

“Decisão é da exclusiva responsabilidade da organização mas tem que haver cumprimento das regras vigentes sem qualquer exceção: por exemplo, espaços de alimentação e de atividades culturais têm que cumprir as mesmas regras dos outros espaços a nível nacional”, garantiu Mariana Vieira da Silva.

Banco de Fomento inicia atividade em outubro e arranca com capital social de 255 milhões

Pedro Siza Vieira falou na conferência em imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, tendo anunciado a aprovação do Banco de Fomento e cujo diploma entrará em vigor no prazo de 40 dias úteis.
Comentários