Parlamento Europeu e Conselho da União chegam a acordo sobre Orçamento para 2022

Orçamento da União Europeia para o próximo ano prevê autorizações no valor de 169,5 mil milhões de euros e a pagamentos no montante de 170,6 mil milhões de euros. 

O Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeu chegaram a um acordo político informal sobre o orçamento da União Europeia para 2022, com autorizações no valor de 169,5 mil milhões de euros e a pagamentos no montante de 170,6 mil milhões de euros.

“Uma vez adotado, o orçamento permitirá à União Europeia mobilizar um grande volume de fundos para continuar a dar resposta à pandemia de Covid-19 e às suas consequências, dar início a uma recuperação sustentável e proteger e criar postos de trabalho. Desencadeará novos investimentos para uma Europa mais verde, mais digital e mais resiliente, protegendo simultaneamente os mais vulneráveis tanto na sua vizinhança como no resto do mundo”, assinala a Comissão Europeia em comunicado.

O Orçamento da União Europeia para 2022, cujo acordo entre o Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia, sob proposta da Comissão Europeia foi alcançado na segunda-feira à noite, é o segundo ao abrigo do quadro financeiro plurianual para 2021-2027.

O acordo prevê canalizar 49,7 mil milhões de euros em autorizações para apoiar a recuperação, estimulando o investimento na coesão económica, social e territorial; 53,1 mil milhões de euros para a política agrícola comum e 971,9 milhões de euros para o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, “a favor dos agricultores e dos pescadores europeus, mas também para reforçar a resiliência dos setores agroalimentar e das pescas e proporcionar a margem necessária para a gestão de crises”; 12,2 mil milhões de euros para o Programa Horizonte Europa, a fim de apoiar a investigação da UE em domínios como a saúde, a digitalização, a indústria, o espaço, o clima, a energia e a mobilidade; e 613,5 mil milhões de euros para o Programa a favor do Mercado Único, para apoiar a competitividade e as PME, nomeadamente no setor do turismo. Entre outras rubricas, prevê ainda 839,7 mil milhões de euros para o Programa União Europeia pela saúde e 227,1 milhões de euros para o Fundo para a Segurança Interna e 945,7 milhões de euros para o Fundo Europeu de Defesa, a fim de apoiar a autonomia estratégica e a segurança da Europa.

As instituições da União Europeia concordaram ainda em aprovar as alterações propostas ao Orçamento de 2021. Segundo o executivo comunitário, “uma vez concluído o processo de aprovação, a Comissão poderá aumentar a ajuda humanitária a favor dos refugiados sírios na Turquia e contribuir para acelerar a vacinação a nível mundial mediante a disponibilização de 200 milhões de doses suplementares aos países de baixo rendimento”.

O orçamento anual para 2022 irá ser formalmente adotado pelo Conselho da União Europeia e pelo Parlamento Europeu, estando a votação em sessão plenária prevista para o dia 24 de novembro.

Recomendadas

Portugal é o 13º país da UE que maior percentagem de gastos públicos dedica a I&D

A investigação e desenvolvimento sofreu no último ano, com o valor total investido pelos governos europeus a cair em relação a 2019, apesar do peso no PIB da UE até ter crescido, dada a queda deste indicador.

Hélder Rosalino destaca projeto do Eurosistema para a emissão da moeda digital do banco central como desafio para novo mandato

O administrador do Banco de Portugal diz que “para ter capacidade de influenciar o desenho do chamado Euro digital e capacidade de apoiar o sistema financeiro nacional caso o projeto avance, o banco terá de participar ativamente na fase de investigação, que decorrerá até 2023, e na fase da implementação, operacionalizando a infraestrutura que vier a ser disponibilizada”.

Reposição do princípio de avaliação mais favorável nas juntas médicas entra amanhã em vigor

Clarificação surge depois de partidos terem reclamado aplicação do princípio da avaliação mais favorável nas juntas médicas, pelo que no caso de reavaliação numa mesma patologia clínica se mantenha a decisão mais favorável para o doente. Regra entra em vigor a partir desta terça-feira, 30 de novembro, depois de milhares de pessoas com doenças incapacitantes estarem a perder o acesso ao atestado multiusos, a apoios sociais e fiscais, porque o princípio da avaliação mais favorável não estava a ser cumprido e deixou de existir após um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.
Comentários