Paulino Ascensão deve manter-se à frente do BE Madeira, diz ex-líder

Roberto Almada garante que não pretende integrar qualquer lista candidata à direção do partido, na convenção prevista para março.

O BE Madeira perdeu nas eleições regionais, realizadas a 22 de setembro, a sua representação parlamentar. Mas o anterior coordenador dos bloquistas madeirenses, Roberto Almada, considera que o atual coordenador, Paulino Ascensão, deve manter-se à frente do partido na região.

“Não vejo nenhuma razão para se alterar a liderança do BE na Madeira. O mais fácil seria cada um ir à sua vida. Mas nós no BE não estamos para fazer o mais fácil. Se fosse para fazer isso não era necessário o BE existir no cenário nacional e regional. A liderança tem de continuar a afirmar-se. Corrigir os erros que possam ter cometido. Tem de aguentar o tempo difícil, de travessia no deserto, trabalhar para reconstruir o BE, trabalhar para voltar ao parlamento regional”, defende Roberto Almada, em declarações ao Económico Madeira.

Com esta posição, Roberto Almada exclui qualquer hipótese de apresentar uma eventual candidatura à liderança do BE na Madeira, e até mesmo de integrar qualquer lista candidata na próxima convenção do BE, que se deve realizar em março. Contudo, Roberto Almada diz que na política não existem “decisões irrevogáveis”, sublinhando que “nunca foi insensível” aos argumentos de pessoas, militantes e dirigentes.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 4 de outubro.

Recomendadas

PS diz que Orçamento da Madeira é o pior de sempre e sem soluções

O PS referiu que o orçamento da Madeira é mais reduzido e com menos investimento, e contém mais carga fiscal.

Orçamento Regional reflete estabilidade política, económica e social, afirma Pedro Calado

O vice-presidente do Governo Regional disse ainda que o Orçamento é a “continuidade de uma política orçamental de uma região que apresentou superavit nos últimos seis anos, e a única a contribuir para reduzir o défice do país. É a continuidade da consolidação das contas públicas”.

PS vai votar contra o Orçamento Regional na Madeira

O PS anunciou também que se vai abster na votação do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento para a Região Autónoma da Madeira.
Comentários