PCP ataca “escândalo” da transferência de custos de pessoal para o Estado

erónimo de Sousa defendeu a utilização de fundos públicos, por exemplo, para garantir que quem ficou em “lay off” devido à pandemia de covid-19 receba o salário por inteiro.

António Pedro Santos/Lusa

O secretário-geral do PCP atacou hoje o “escândalo da transferência de milhares de euros” de custos com pessoal para a Segurança Social de “empresas com lucros milionários” e criticou a compra do grupo da TVI como exemplo.

Numa audição com sindicalistas na sede do Centro Vitória do PCP, em Lisboa, Jerónimo de Sousa defendeu a utilização de fundos públicos, por exemplo, para garantir que quem ficou em “lay off” devido à pandemia de covid-19 receba o salário por inteiro.

E criticou “o escândalo da transferência de milhares de euros para empresas com lucros milionários e que, na primeira oportunidade, aproveitaram para transferir para os trabalhadores e para a Segurança Social uma boa parte dos seus custos.

São empresas, “muitas delas multinacionais, que beneficiam de milhões de euros de apoios públicos em projectos, que enchem a boca com a conversa da responsabilidade social, mas que agora, na primeira curva, a esqueceram, afirmou.

“Veja-se o caso de um grupo económico que meteu 500 trabalhadores em ‘lay-off’, mas que, passados poucos dias, anunciou a compra de 30% de uma grande empresa de comunicação social. Dinheiro há, como está à vista”, afirmou Jerónimo sem se referir diretamente à empresa Douro Azul, de Mário Ferreira, ao grupo Media Capital, que detém a TVI.

 

Ler mais
Recomendadas

Primeiro-ministro confirma convite a António Costa e Silva para coordenar Programa de Recuperação Económica

“O professor António Costa e Silva foi convidado pelo primeiro-ministro para coordenar a preparação do Programa de Recuperação Económica”, referiu hoje o gabinete de António Costa, numa nota enviada à agência noticiosa nacional.

Presidente pede que não se passe do “8 para o 80” e alerta para imagem do país

O Presidente da República reiterou hoje o apelo à população para que não se passe “do 8 para o 80” nas medidas de prevenção da covid-19, alertando para os riscos da imagem do país “cá dentro e lá fora”.

Marcelo Rebelo de Sousa: “Igreja deu um exemplo a todo o povo português”

No regresso às celebrações comunitárias, à entrada da missa de Pentecostes, na Sé de Lisboa, o Presidente da República recordou que “há regras, há distanciamentos, há que manter as máscaras durante toda a celebração, dure ela o que durar, e há que ter especiais cuidados na entrada e na saída”. Apelou igualmente aos jovens para que “não organizem festas com centenas de pessoas”.
Comentários